EY ALTER

por José Carreira | 2017.01.03 - 12:13

 

A Alemanha é, na atualidade, um dos países mais envelhecido do mundo. Um dos argumentos utilizados pela chanceler Angela Merkel, para justificar a sua política para o acolhimento de refugiados, foi exatamente a necessidade de contrariar o “Inverno Demográfico” que se vive no seu país tal como na maioria dos países desenvolvidos.

A evolução demográfica, das últimas décadas, que resultou num progressivo envelhecimento da população, deve ser encarada como “Demoportunidade” ou “Demoapocalipse”?

A Mercedes, em parceria com a Jacobs University (http://www.jacobs-university.de/) e  o Universum Bremen (https://universum-bremen.de/), desenvolveu o projeto “EY ALTER” (“EI VELHO”) (http://www.eyalter.com/) que preconiza uma nova visão do processo de envelhecimento, desde logo porque a idade tem vários rostos.

A exposição “EY ALTER”, patente no Museu da Mercedes[1], em Stuttgart, até 30 de junho de 2017, é um produto da iniciativa demográfica “YES – Young and Experienced Together Successful” – Y.E.S. (Young + Experienced = Successful) (em tradução livre: ” Jovens + Experientes = Sucesso”).

Como refere Markus Schäfer, Membro do Conselho de Produção e Gestão da Mercedes Benz, falar da idade ainda continua a ser um tabu. Quando se pergunta a alguém a idade, pode surgir um embaraçoso silêncio… A Mercedes preocupa-se com as alterações demográficas, e não ignora a grande tendência do século XXI procurando, através deste projeto, refletir acerca do que significa envelhecer na empresa e na sociedade como um todo.

Contrariando a ideia da existência de um cenário de pesadelo, no que concerne às alterações demográficas, a Mercedes, sustentando a sua visão na investigação científica, considera que a idade oferece valor e potencial e coloca o foco no individuo e não na idade.

Os preconceitos ligados ao envelhecimento estão obsoletos.

O contributo das várias gerações potencia a riqueza das experiências, das perspetivas e dá novos impulsos à inovação. A multinacional germânica acredita que a diversidade etária a torna mais forte e encoraja o intercâmbio, o trabalho em rede e o apoio mútuo entre as gerações.

Visitei a exposição que tem como objetivos estimular uma nova maneira de pensar e injetar uma nova dinâmica no debate sobre a idade, a vida em sociedade e o mundo do trabalho.

Ainda tenho presente o dia em que uma colega chegou a chorar porque a entrevista, para trabalhar numa loja de uma multinacional do mundo da moda, corria às mil maravilhas, até ao momento em que a entrevistadora viu a data de nascimento no Bilhete de Identidade…tinha acabado de fazer 30 anos…

Pode ser que as palavras de Schäfer se cumpram na Mercedes, o projeto “Ey Alter” seja difundido e se efetive a mudança de paradigma:

“Vemos a mudança demográfica como uma oportunidade!

Uma oportunidade histórica para trilhar novos caminhos.

E, talvez, até certo ponto, também reinventarmos a maneira como trabalhamos.”

 

[1] https://www.mercedes-benz.com/de/mercedes-benz/classic/museum/