“Esta gente”

por Norberto Pires | 2014.09.24 - 16:47

Há uma coisa que já há muito tempo decidi fazer: desistir de perceber e adicionar lógica à esquizofrénica vida política nacional. E manifesto a minha total incredulidade com a reação dos cidadãos que numa crescente maioria se preferem alhear, ignorar e deixar de intervir. A qualidade das escolhas é por isso, com a responsabilidade de todos nós, cada vez mais medíocre. E de medíocres só se pode esperar aquilo que observamos: mediocridade, enganos, muitos enganos, ausência de planeamento, ausência de sentido crítico, ausência de comportamento previdente e cauteloso, ausência de debate, ausência de sentido de Estado, ausência completa de propósito, desencontro com a realidade e uma desesperante tendência para a acomodação.

Na minha forma de encarar o mundo a política emerge como um serviço público, uma tarefa de cidadania, na qual se está por missão enquanto essa missão fizer sentido e for útil, sempre no fio da navalha e no limite do risco; como alguém dizia, vivendo como se pensa sem pensar como se viverá . De forma alguma deve ser uma carreira. Quem não tem outra vida e faz da política a sua forma de estar, não é útil, não fará nenhum tipo de transformação e tenderá a proteger-se, rodeando-se de pessoas pouco competentes e cheias de certezas, sendo totalmente incapaz de qualquer rutura, reforma ou ação que compreenda o mínimo risco.

Recuso totalmente essa abordagem. Recuso totalmente o inerente populismo e demagogia.

Não vi os debates entre o António José Seguro e o António Costa. O que li nos jornais e ouvi na rádio sobre esses debates deixam-me uma certeza: não perdi nada, antes pelo contrário. É tudo mau demais.

Nenhum deles, como aliás nenhum dos outros, percebe ou quer dar exemplo nem que essa atitude é a única forma de mobilizar a nação. Nenhum está interessado nisso. Usam os lugares como trampolim para outros mais apetecíveis, quando o risco diminui. Porque na verdade, o que importa é a carreira política e um percurso visto como “profissional”.

É legitimo concluir que as “portuguesas e os portugueses”, como eles costumam dizer, não contam ou contam muito pouco para a ação política. Quando todos nós nos apercebermos disso, e começa a tardar de facto, fará todo o sentido o poema de Sophia “Esta gente”. Até lá é só um poema dessa fabulosa escritora e mulher.

 

Esta gente

“Esta gente cujo rosto
Às vezes luminoso
E outras vezes tosco

Ora me lembra escravos
Ora me lembra reis

Faz renascer meu gosto
De luta e de combate
Contra o abutre e a cobra
O porco e o milhafre

Pois a gente que tem
O rosto desenhado
Por paciência e fome
É a gente em quem
Um país ocupado
Escreve o seu nome

E em frente desta gente
Ignorada e pisada
Como a pedra do chão
E mais do que a pedra
Humilhada e calcada

Meu canto se renova
E recomeço a busca
De um país liberto
De uma vida limpa
E de um tempo justo”

Sophia de Mello Breyner Adresen, in “Geografia”

Professor Associado da Universidade de Coimbra foi Presidente do Conselho de Administração do Coimbra Inovação Parque e Membro do Conselho Nacional para a Ciência e Tecnologia. Possui Mestrado em Física Tecnológica e Doutoramento em Robótica e Automação pela Universidade de Coimbra. É o Editor do jornal "Robótica". Autor de cinco livros na área da robótica e automação tendo publicado mais de 150 artigos científicos e tecnológicos.

Pub