E assim se passou mais um ano…

por Ana Beja | 2016.01.11 - 19:38

E assim se passou mais um ano. E com ele tudo o que lhe vem adjacente. Coisas boas e coisas más, alegrias e tristezas, vitórias e derrotas, mas passado! E bola para a frente, pois para a frente é que é o caminho!

Entrámos numa nova etapa! Temos de novo 365 dias (este ano 366). Limpos, frescos e carregadinhos de promessas (muitas vezes iguais às do início do ano passado). É  tempo de arrumar a casa, sacudir os tapetes e limpar as gavetas! É tempo de promessas e desejos arrojados! A energia está ao rubro! “Este ano vou começar o ano a fazer desporto…” ”este ano vou deixar de fumar e só comer comida saudável…” “este ano vou poupar todos os meses”! Frases que repetimos a cada 365 dias, mas que têm um peso bastante significativo para quem inicia um novo ano! Aliás, nem é início do ano se não fizermos esse tipo de promessas, tão claras e assertivas. E toda a gente à nossa volta solta uma admirável exclamação e profere frases encorajadoras: “mas já não andas a dizer que vais poupar há não sei quantos anos?”, “outra vez a doidice do ginásio?” Mas a pessoa não desmotiva e continua a luta pelos seus ideais de ano novo!

Passamos janeiro… a coisa ainda rola! Estamos motivados e nada falha! Cumprimos à risca e ainda criticamos aqueles que não andam a fazer o mesmo que nós fazemos! “Opá devias deixar de fumar! Olha faz como eu, começa a fazer umas corridas para baixar o colesterol”. Estamos no auge! Somos o exemplo vivo de “mente sã em corpo são”!

Passa fevereiro e chega março e a “coisa” já começa a cansar. Não conseguimos poupar um tostão e as contas ainda não equilibraram desde a loucura do fim de ano (em que resolvemos ir passar as festividades fora naquelas promoções fantásticas). A alimentação também já sofreu um pequeno rombo, pois andar a comer todos os dias dourada do mar e bife da vazia grelhado sai caro. Mas a pessoa não deve desmotivar e vai intercalando as coisas! Um dia comemos coxas de frango e outro dia vai um filete panado que também é muito bom!

Estamos em maio. Passou a páscoa…tempo de folares e ovos de chocolate! Já não fazemos dieta pois não há tempo nem dinheiro! Passámos a comer a famosa massa de atum e o arrozinho de tomate com bolinhos de bacalhau! Dinheiro (cada vez menos) e ainda por cima com o estoiro dos folares aos 7 afilhados a coisa descambou de vez! A motivação para a ginástica ficou-se por abril… como o dinheiro já não abonava tivemos de abandonar o ginásio (caríssimo, um investimento maluco) e de vez em quando fazemos umas caminhadas pela rua do bairro, quando vamos por o euromilhões à sexta e fazer a raspadinha (há que tentar a sorte, pois a trabalhar não se enriquece).

E entramos no segundo semestre do ano. Agosto para ser mais precisa! Calor e sol! Vivemos na esplanada a comer tremoços e a beber uns finos para arrefecer o corpo! Vamos de férias para um t2 com a família alargada (14 pessoas para rachar as despesas) e mesmo assim para o final da única semana em que tomamos banho na água do mar já não há um tostão! A sorte é que temos a conta ordenado e a coisa vai! Juramos que quando recebermos o 14º mês regularizamos a situação no banco! Esqueci-me de acrescentar que em julho já fumamos outra vez! “É só tainadas com os amigos, pá…todos fumam e um gajo não é de ferro”!

Setembro! Meu Deus! E ainda dizem que o ensino é gratuito! Ainda não é agora que a conta ordenado vai ao lugar! E com sorte ainda poupamos o cartão de crédito… não vá o professor de educação visual pedir aquele material caríssimo e de marca, que o ano passado se resolveu (temporariamente) com uma ida à loja dos chineses!

Novembro. Chegámos à exaustão! Não deixámos de fumar, não poupámos um chavo, o colesterol nunca esteve tão alto e com a crise de nervos que trazemos ainda tivemos de ir gastar uma pipa de dinheiro em exames de rotina (anuais, pois claro) que o médico de família resolveu passar!

Dezembro. “Bolas, o ano passou a correr!! Nem dei conta dele passar”, afirmamos em conversas de ocasião que temos com o vizinho do 5º andar! “Como isto passou depressa…o tempo voa, realmente”.

Fazemos a usual introspeção de final de ano e estamos mortinhos para que este acabe e comece um novo ano. Limpo, fresco e como não podia deixar de ser carregadinho de promessas e desejos arrojados. Ano novo, vida nova e venha ele, que deste já estamos fartos! Foi a crise, os miúdos, o chefe que só chateou, a vida caríssima e nem sequer descansámos nas férias do Natal, pois vieram os primos da Suíça e tivemos que correr as capelinhas todas da aldeia com o primo Zé Júlio!

“A sorte é que está mesmo a acabar este ano desgraçado”, pensamos na hora em que comemos as 12 passas e ouvimos as 12 badaladas!! Finalmente um novo ano. E recomeça tudo outra vez! Mesmo sabendo que nunca vamos cumprir as promessas que fazemos, nunca deixamos de sonhar. Afinal é o sonho que comanda a vida e na nossa vida mandamos nós! Viva 2016