Costa quente e inSeguro

por Luís Ferreira | 2015.04.22 - 19:18

 

 

Conhecemos ontem algumas propostas macroeconómicas que o Partido Socialista propõe cumprir nos próximos anos caso suba ao poder, expectando uma viagem de crescimento económico. “Uma década para Portugal”, estudada por uma dúzia e comandada por um Centeno.

Paralelamente ao Governo, defende o PS a reposição dos cortes salariais a funcionários públicos, a eliminação da sobretaxa de IRS, o alívio da TSU e a redução do IVA da restauração. Porém, António Costa, devidamente apetrechado, acredita que tudo se consegue em menor tempo. No entanto, deslumbrado com tantas boas notícias e persuadido de que estamos num bom caminho, vejo os partidos da oposição a pisar a miséria atual por eles defendida e a acreditarem num amanhã (…mesmo amanhã…) diferente e desejado. “Defendemos de punho fechado que tudo está mal, sabendo afinal que tudo pode dar certo brevemente, dado o contexto atual da economia.” Confuso, não?!

Porém, o que realmente me preocupa é que o estímulo apresentado à economia aparenta ter algum botox e silicone a disfarçar. Vejo propostas lindas e apetitosas, cromaticamente cor-de-rosa como a sede do Rato, mas indiferentemente dúbias. É verdade que a redução da TSU cheira bem e a Lisboa, mas irá traduzir-se, consequentemente, numa diminuição das pensões do futuro. Isto é, naturalmente, a redução dos custos atuais de trabalho será paga a crédito no futuro, quando nos reformarmos com pensões mais baixas. (Isto, se nos reformarmos, claro!!) Bom ou mau, são perspetivas que devemos esclarecer e considerar! E o mesmo acontece com a proposta de redução de dez pontos percentuais do IVA da restauração, que, porventura custará 260 milhões de euros ao povinho. Vemos o desenterrar de um assunto já esquecido e ultrapassado pela subida acentuada do turismo e pelas faturas eletrónicas.

O tempo começa a aquecer. Avista-se já o verão! E o Costa, de costas quentes, expõe doze anjos da guarda. Mas as sondagens continuam inSeguras, tal como com o mestre Tónio’Zé. Vamos ver no que isto vai dar! Façamos pipocas e cruzemos as pernas. Venham mais cinco partidos empenhados e com propostas! Entretanto, aguardemos por novos episódios da novela e por mais personagens principais, que ainda agora se começou a cantar o fado. Mas prometo que vou perspetivando e falando, baixinho, como eu, para não incomodar fadistas.

Luís Ferreira é natural de Ferreirim, Sernancelhe, tem 17 anos e é estudante de Economia.

Pub