Centro Hospital Tondela/Viseu: Centro de Referência: uma oportunidade esquecida

por Carlos Cunha | 2016.04.21 - 00:17

 

 

A União Europeia apostou, nos últimos anos, na criação de uma rede europeia de Centros de Referência no tratamento de diversas patologias clínicas.

Foi assim que surgiram, em Portugal, os Centros de Referência pela mão do anterior Ministro da Saúde, Paulo Macedo, que criou uma comissão de peritos altamente avalizados para aferir as candidaturas efetuadas por hospitais públicos e privados.

Os Centros de Referência são unidades de saúde altamente especializadas, dotadas de recursos humanos com elevadas qualificações e conhecimentos técnicos em determinada área clínica e equipamentos de extremo valor. Possuem ainda competências na área do ensino, formação e investigação, estando ainda obrigados a publicar estudos na área da sua especialidade.

Numa linguagem mais acessível, podemos afirmar que os Centros de Referência estão para os hospitais assim como a estrela Michelin está para os restaurantes.

Atualmente existem em Portugal 82 Centros de Referência na área da saúde, que vão desde a cardiologia, passando pelo cancro do recto, pela oncologia pediátrica até ao transplante hepático para citar apenas alguns.

A esmagadora maioria dos Centros de Referência localiza-se nos grandes hospitais públicos de Lisboa, Porto e Coimbra. Há também um em Braga e outro no Algarve, existindo apenas três instalados em hospitais privados. Constata-se também que os Açores e a Madeira não possuem nenhuma unidade de saúde com esta classificação de excelência.

No futuro, a tendência será a de concentrar recursos humanos e materiais nos hospitais classificados como Centros de Referência, que receberão estudantes em processo de formação e investigadores que realizarão pesquisas no âmbito da doença e do seu tratamento.

Por outro lado, apenas os Centros de Referência poderão candidatar-se à rede europeia de Centros de Referência, o que trará enorme prestígio à unidade hospitalar e ao seu corpo clínico e um acesso mais facilitado a financiamentos para desenvolver estudos e adquirir equipamentos.

O Centro Hospitalar Tondela/Viseu infelizmente não integra esta destacadíssima carruagem, apesar de se ter candidatado a Centro de Referência no domínio da oncologia, desconheço a área ou áreas.

Ao que tudo indica o motivo dessa exclusão foi o mais inusitado de todos, assim como as justificações dadas pelo seu Diretor, Dr. Ermida Rebelo, homem experiente na área da gestão hospitalar.

A imperfeição faz parte integrante da condição humana, porém em vez de admitir o erro e de assumir o insucesso, entendeu passar a culpa da candidatura não ter entrado a tempo e horas no Ministério da Saúde para a secção responsável pela expedição do correio. Atendendo à sua folha de serviços, o mínimo que se exigia ao Dr. Ermida Rebelo era um pedido de desculpas aos utentes do Hospital e aos clínicos que trabalharam no processo de candidatura. Certamente todos se sentem frustrados por terem deixado passar esta oportunidade. 

Carlos Cunha é militante do CDS-PP de Viseu e deputado na Assembleia Municipal. Licenciado em Português/Francês pela Escola Superior de Educação de Viseu concluiu, em 2002, a sua Pós Graduação em Educação Especial no pólo de Viseu da Universidade Católica Portuguesa.

Pub