Carta dos Deveres dos Pais no Desporto

por Vitor Santos | 2017.01.12 - 17:35

 

O Panathlon Clube de Lisboa em cooperação com o Comité Olímpico de Portugal e com o apoio da Edugep e do PNED promoveu uma Conferência Internacional subordinada ao tema “O papel dos Pais no Desporto” da qual saiu um novo e importante documento: Carta dos Deveres dos Pais no Desporto.

A carta é a expressão dos valores comuns à prática desportiva e constitui mais um passo importante para a evolução de uma cultura desportiva, um documento moderno, que inclui regras fundamentais de comportamento, como o direito à escolha pela criança/jovem da modalidade que quer praticar e pode constituir uma grande ajuda para os agentes desportivos sensibilizarem os pais.

A Carta dos Deveres dos Pais no Desporto deve estar presente no quotidiano da atividade desportiva do desporto de formação. A aplicação que a Carta pode vir a ter é – como outros documentos anteriores com as mesmas recomendações, no mínimo duvidosa tal o desconhecimento que se tem sobre a influência negativa que se tem com atitudes despropositadas e mesmo em alguns casos criminosas. O desrespeito pelos agentes desportivos – atletas, árbitros, treinadores, resulta em atos impróprios que ultrajam os valores pelos quais o desporto se rege. A prática desportiva deve estar virada essencialmente para o desenvolvimento das capacidades físicas e motoras adequadas a cada escalão etário e não virada para a obtenção de vitórias. A competição começa cada vez mais cedo e daí haver a necessidade de reforço junto das crianças e jovens que devem preparar-se para a mesma e que o resultado é, e só, uma consequência do desempenho.

A Carta representa, assim, mais um passo na sensibilização no caminho do respeito dos intervenientes no desporto e no qual os pais devem percorrer lado a lado, salvaguardando as distâncias das funções. Assume-se, portanto, como uma ferramenta de parceria e não de confronto, contribuindo para um ambiente saudável para o desenvolvimento do jovem atleta.

[…] “O brincar vive-se, experimenta-se e dificilmente se explica. A magia do jogo percorre todas as idades com situações e significados diferentes. Os pais brincam com os filhos e as crianças brincam entre si através de processos de transmissão de geração em geração. A vida do homem explica-se pela criança que foi e pela qualidade e oportunidades de jogo que viveu.” […] Carlos Neto, professor catedrático e investigador da Faculdade de Motricidade Humana

A reflexão realizada, pelos vários oradores e assistentes, sobre o envolvimento dos pais na prática desportiva dos filhos demonstrou ser um tema transversal a todas as modalidades e escalões etários. Nos dias de hoje o acompanhamento parental é uma realidade e até seria uma excelente oportunidade de promoção e divulgação do desporto se o mesmo fosse sempre feito com respeito e civismo. Uma participação negativa, mesmo que isolada, tem consequências mais gravosas para os jovens atletas que muitas de forma positiva. Não compreender isto é não perceber que a educação pessoal está também a ser colocada em causa. As crianças não conseguem diferenciar comportamentos e pais aos berros são interpretados como atos violentos. A formação deve ser integral: homem vs atleta

Esta publicação é basicamente uma nova ferramenta para ajuda na tomada de consciência pelos pais da forma como podem mais ajudar do que prejudicar, naquilo que é tão importante para os seus filhos.

Leiam-na e partilhem.

Vitor Santos nasceu em Viseu no ano de 1967. Concluiu o Curso de Comunicação Social no IPV. Conta com várias colaborações na Imprensa Regional. Foi diretor do Jornal O Derby.

Pub