Às voltas com a Praça 2 de Maio

por Carlos Cunha | 2019.12.06 - 19:01

Ainda sobre a cobertura da Praça 2 de Maio…

Em Fevereiro de 2015 foi lançado um concurso público pelo Município de Viseu e pela SRU ( Sociedade de Reabilitação Urbana) que tinha como objetivo reabilitar a Praça e proceder à sua cobertura;

Em Outubro de 2015, foram conhecidos os três projetos vencedores;

Entre Outubro e Novembro do mesmo ano, houve uma exposição pública dos projetos vencedores, tendo existido um curto debate público em torno dos mesmos;

Até às eleições autárquicas de 2017, o assunto foi engavetado e silenciado, não havendo qualquer decisão política a seu respeito;

Em Setembro de 2017, o atual executivo é eleito para novo mandato e o assunto da remodelação e cobertura da Praça 2 de Maio é desenterrado a 17 de Novembro de 2019;

Em reunião pública de Câmara, Almeida Henriques apresenta nova proposta para a Praça 2 de Maio, que implica que na cobertura sejam instalados 4200m2 de painéis fotovoltaicos para a produção de energia limpa;

A obra custará 2 milhões e 100 mil euros, financiada em 85% com fundos comunitários, aos quais acrescerá provavelmente o IVA;

Importa, face ao exposto, questionar-se:

Porque resolveu o atual executivo meter na gaveta os resultados do concurso público de 2015?

Quanto custou esse concurso público aos viseenses?

O que levou o executivo a mudar de ideias volvidos quatro anos após apresentar uma solução para a remodelação e cobertura da Praça 2 de Maio e porque o fez?

Esta solução, apesar de ser aparentemente ecológica, não terá um impacto visual e estético muito negativo numa das principais Praças do Centro Histórico de Viseu?

Dada a importância do tema e os sucessivos avanços e recuos do atual Executivo não se justificaria a realização de um referendo local sobre a solução que melhor serviria aquele espaço nobre da cidade que durante mais de 100 anos foi o mercado de frescos da cidade?

Esta é uma reflexão para a qual toda a comunidade terá de ser convocada, uma vez que neste executivo são mais as incertezas do que as certezas, e essas constantes mudanças têm um custo que será suportado pelos mesmos de sempre.

Carlos Cunha

Carlos Cunha é militante do CDS-PP de Viseu e deputado na Assembleia Municipal. Licenciado em Português/Francês pela Escola Superior de Educação de Viseu concluiu, em 2002, a sua Pós Graduação em Educação Especial no pólo de Viseu da Universidade Católica Portuguesa.

Pub