Arranque do ano escolar: sempre a piorar!

por Acácio Pinto | 2014.09.16 - 09:28

 

Vivemos, de facto, tempos muito difíceis na área da educação merecedores de uma profunda preocupação da sociedade portuguesa e dos agentes educacionais em particular.

E esta preocupação e perplexidade, até, são maiores quanto mais vamos ouvindo aquilo que Nuno Crato e o seu ministério nos vêm dizendo relativamente ao arranque deste ano letivo. A questão configura mesmo um verdadeiro paradoxo quando se tratam como normais todas as anormalidades relacionadas com aquilo que se passa nas escolas.

Ousamos mesmo dizer que quando o ministério da educação considera que tudo o que está a acontecer nas escolas portuguesas, neste início de mais um ano letivo, é normal, então está tudo dito quanto ao grau de irresponsabilidade política que atravessa este governo.

E isto porque bastará que cada um de nós tente responder a perguntas muito simples para perceber aquilo que está em causa.

Ei-las.

Então é normal que só se coloquem os professores a 9 de setembro, já depois do ano escolar se ter iniciado a 1 de setembro, e a escassos dois dias do início das aulas?

Então é normal que se “brinque” desta forma tão despudorada com a vida de milhares de professores que se veem confrontados com uma colocação, já em tempo de aulas, numa escola em que não participaram nas atividades iniciais?

Então é normal e digno que se obriguem professores a terem, de imediato, de encontrar nova casa para viverem e nova escola para os seus filhos, que em muitos casos os têm que acompanhar?

Então é normal termos um concurso que apesar de todos estes atrasos ainda vem enxameado de erros?

Então é normal termos escolas, ainda hoje, com escassez de pessoal não docente devido a aposentações e a rescisões de assistentes operacionais não substituídos?

Então é normal iniciar-se o ano letivo com escolas do 1º ciclo que não se sabe se se irão manter abertas ou encerrar face a diversas providências cautelares colocadas pelas autarquias?

Bom, a todas estas perguntas creio que qualquer português terá que dar a adivinhada resposta: não, não é normal.

Tudo isto a que estamos a assistir e que não é normal resulta de uma completa falta de planeamento no ministério da educação que deveria fazer corar de vergonha o ministro Nuno Crato.

Apesar de tudo, três anos de (má) governação, três anos para esquecer, deveriam ter permitido, a Nuno Crato e à sua equipa, efetuar outras aprendizagens!

Deputado do Partido Socialista (PS) na XII Legislatura eleito pelo Círculo Eleitoral de Viseu

Pub