APROXIMAR

por José Carreira | 2015.06.12 - 12:19

 

Talvez já tenham passado cerca de duas semanas, o tempo corre, desde que fui à Worten com o objetivo de comprar uma máquina de secar roupa para a instituição onde trabalho.

Ao falar com uma das colaboradoras da loja, senti que os monitores e o amontoado de informação que estavam sobre o balcão, nos dificultavam a comunicação. Todos aqueles elementos estavam a afastar o vendedor do cliente, exatamente o inverso daquilo que, certamente, se pretende. Decidi comentar o que estava a sentir com quem me atendeu. A senhora solicitou que expressasse a minha opinião, a título de sugestão, num impresso próprio. Assim fiz. No dia seguinte, fui contactado, agradeceram-me a chamada de atenção e informaram que, caso fosse possível, a situação seria imediatamente resolvida pelos responsáveis da loja. Registo, com apreço, o rigor, o profissionalismo e a celeridade nos processos. Foram capazes de aproximar o cliente da loja.

Aproximar é a designação do programa do Governo que visa a reorganização dos serviços de atendimento da administração pública. Assisti, na passada quarta-feira, à cerimónia de assinatura de protocolos, organizada pela CIM Dão Lafões e fiquei a conhecer melhor o programa que pretende aproximar o Estado dos CIDADÃOS.

 

“O Programa Aproximar baseia-se em três pilares de reorganização da rede física de serviços: a integração dos serviços de atendimento em Lojas do Cidadão (com pelo menos uma por concelho); a reorganização e otimização dos back offices dos serviços públicos; e, finalmente, o alargamento da rede complementar dos Espaços do Cidadão, com soluções de atendimento digital assistido (com um objetivo de cerca de mil em todo o território nacional).

 

Complementarmente, o Programa Aproximar contempla ainda duas soluções de mobilidade que reforçam o objetivo de aproximação dos serviços públicos aos cidadãos – o transporte a pedido do «Portugal Porta-a-Porta» e as «Carrinhas do Cidadão», funcionando como Espaços do Cidadão móveis, que permitirão levar os serviços até às regiões de menor densidade populacional.”

 

Gostei do que vi e ouvi. O programa poderá ser uma ferramenta muito útil para colmatar lacunas em zonas de baixa densidade populacional, no interior do país, às quais foram subtraídos alguns serviços públicos. A primeira Loja do Cidadão abriu há dezasseis anos nas Laranjeiras. Uma boa iniciativa que poderá ter, com este programa, a complementaridade necessária. Se a litoralização do país parece ser uma inevitabilidade, o combate à desertificação do interior é uma prioridade.