Aparências e show off!

por Ana Beja | 2015.11.15 - 23:06

 

Há pessoas que vivem para os outros. Não no sentido solidário de estarem sempre disponíveis e prontos a ajudar, mas no sentido de se mostrarem aos outros. De se exibirem. Na gíria popular, são vulgarmente conhecidos pelos “show off” ou “betinhos” e existem há muito tempo na nossa sociedade. Caracterizados pelas roupas de marca, cabelos impecáveis e a tresandarem a perfume, na sua maioria são cheios de etiquetas, salamaleques, conduzem automóveis imaculadamente limpos e a sua roupa não tem um vinco fora do sítio!

Vivem em exibição constante! É para isso que vivem, aliás! Geralmente o nome vem acompanhado por “doutor” e o apelido tem no mínimo três nomes, ligados por um “de” ou “da”, pois dá outra estaleca! Não comparemos um simples nome como “Ana Beja”, com um “Dra. Ana Beja Fonseca da Cunha à Gomes de Sá”! Isto sim é que é de categoria! Um nome sonante destes abre todas as portas possíveis! Seja em que ramo ou área for!

Outra coisa que caracteriza os “show-off” ou a “betada” é a postura e trato! Porte elegante, direitos que nem um fuso e saudações de cortesia do tipo “Mafalda Vaz de Souto Pinto à Bulhão Pato, que prazer! Como está? Há imenso tempo que não a via!”. Muito diferente da saudação banal e sem graça de um comum mortal ”olá Mafalda, tudo bem?”. Também nunca dão dois beijos, sempre um, e geralmente não se coíbem em mostrar o sorriso, branco como a cal, no qual gastaram 5 ordenados a branquear!

Mas não ficamos por aqui. O verdadeiro “show-off” é conhecedor de tudo e mais alguma coisa! Ora vejamos o nível de conhecimento no que respeita à restauração. São “experts” em restaurantes finos, onde entram sem marcação, pois são sempre amicíssimos do dono! Fazem questão de chamar o “chef” à mesa, para lhe dizerem que o “fois gras” estava idêntico ao que costumam comer em Paris, no restaurante mais famoso da capital francesa. Em questão de vinhos, são enólogos de carteira, conhecendo regiões, castas e adivinhando até o grau do vinho só pela cor, nos frequentes jantares com os seus amigos de linhagem e brasão!

Em questões profissionais, são topo! Não há igual! Gravitam por salas de reuniões, conferências, colóquios, briefings e meetings. Dominam as tecnologias, que são presença constante em toda a sua vida, estão sempre online e são oradores motivacionais por vocação, pois acham-se o máximo a falar! E não só a falar! Acham-se o máximo em tudo!

Nas horas livres (poucas, são super atarefados) costumam tratar da sua imagem pessoal. Fazem peelings, esfoliações, arrancam sinais e colocam cremes rejuvenescedores e bases anti-papos, verrugas e imperfeições. Fazem massagens corporais com óleos essenciais. Não praticam desporto. Bebem drenantes e tomam comprimidos para queimar gorduras.

Têm filhos. Três ou mais. Há que dar continuidade ao nome de família. São sempre José Marias, Bernardos e Constanças. Usam soquetes até ao joelho, calções padrão escocês e sapatos de vela. São os melhores em tudo. Frequentam o colégio privado e têm explicações particulares em casa. Não passam muito tempo com os pais, pois estes andam ocupadíssimos a tratar-lhes do futuro. O destino deles está traçado. Vão ser também “doutores” e dar continuidade ao negócio de família.

E é basicamente isto, com mais ou menos “caganças”, neste mundo de “fantasia e show-off” o que importa é manter as aparências! O que interessa é exibir. Seja de que de maneira for! Podemos mostrar o que não temos e ser o que não somos, até porque, segundo a Madame de Riccoboni (tinha de ser uma madame com um nome sonante, senão não tinha interesse nenhum) a aparência das virtudes é muito mais sedutora do que as próprias virtudes, e quem se vangloria de as possuir tem grande vantagem sobre quem as realmente possui!