António Costa: Confiança e esperança

por Acácio Pinto | 2014.12.02 - 23:08

 

 

Terminado que está o XX congresso nacional do Partido Socialista cumpre agora a António Costa e a todos os socialistas meterem mãos à obra para darem corpo ao projeto que devolva a esperança a Portugal e aos portugueses.

O congresso foi inequívoco na aprovação da estratégia de António Costa, da agenda para a década, aprovada por unanimidade, e igualmente foi magnânimo na eleição dos órgãos nacionais, onde pontifica todo o PS.

Mas para além das intervenções e do voto dos congressistas, o secretário-geral do PS pôde também ouvir um vasto leque de cidadãos, independentes e simpatizantes, associarem-se à agenda do PS e a deixarem importantes contributos para o futuro projeto socialista. Dentre estes destaco o ex-reitor da universidade de Lisboa, Sampaio da Nóvoa.

Pode, mesmo, dizer-se que a integração de vozes da sociedade no alinhamento das intervenções aos congressistas foi uma das grandes novidades deste congresso. Mas merece igualmente especial destaque a homenagem às 34 mulheres vítimas de violência doméstica em 2014, com o congresso a ouvir em silêncio os respetivos nomes, ditos pela voz da atriz Maria do Céu Guerra.

Ou seja, António Costa e o PS deram corpo, neste congresso, a uma nova forma de relacionamento, em confiança, com os cidadãos. O Partido Socialista deixa de estar fechado sobre si mesmo e integrou, desde já, nos seus estatutos, a possibilidade do processo de primárias na construção das suas decisões políticas, trazendo, assim, uma grande lufada de cidadania à vida partidária.

Para o futuro, António Costa traçou também algumas das suas principais linhas de atuação, evidenciando desde logo a sua grande preocupação para com os problemas efetivos dos portugueses, que não são meras estatísticas. São pessoas, são “histórias concretas” de vida que têm que ser analisadas como tal e merecem respostas objetivas.

Associou-se, de igual modo, à luta dos jovens contra o dilema da emigração ou do desemprego, depois da conclusão, com grande esforço dos pais, da sua qualificação profissional.

Ficou também expressa a sua oposição ao desemprego de longa duração que afeta homens e mulheres das faixas etárias ativas mais avançadas.

O chumbo pela maioria da proposta de manutenção da cláusula de salvaguarda do IMI que o PS propôs, mereceu também a sua consideração e a sua crítica. Este foi um comportamento completamente insensível do PSD e do CDS.

Enfim, só pensando diferente poderemos apresentar um programa diferente, um programa que qualifique os portugueses e que apoie as empresas, como via para a competitividade e para o desenvolvimento do nosso país.

Afinal, um programa de confiança e de esperança para Portugal.

Deputado do Partido Socialista (PS) na XII Legislatura eleito pelo Círculo Eleitoral de Viseu

Pub