Alzheimer: Sair do armário

por José Carreira | 2016.05.06 - 11:29

Pasqual Maragall [1] foi um dos políticos mais mediáticos da vizinha Espanha e desempenhou cargos relevantes: “alcalde” de Barcelona entre 1982 y 1997 e presidente da “Generalidad de Cataluña” entre 2003 e 2006 como membro do Partido Socialista da Catalunha.  Foi também no seu mandato que se preparam e executaram os Jogos Olímpicos de Barcelona em 1992.

Pasqual Maragall é um bom exemplo na luta contra a doença de Alzheimer. Após o diagnóstico da sua doença, inspirado em Richard Taylord, psicólogo e autor do livro intitulado Alzheimer´s from the inside out, que refere os benefícios de partilhar a sua experiência com a comunidade ficou convencido da importância de “sair do armário, declarar piblicamente a minha nova condição de inimigo de uma doença que por agora é incurável, fazer-lhe frente, procurar ajuda para os que virão a sofrer com a doença.”

Em 20 de Outubro de 2007, Maragall deu uma conferência de imprensa, informou publicamente que sofria da doença de Alzheimer e que iria dedicar todas as suas forças a combater essa doença.

A sua mensagem é bem clara:

“Fizemos os Jogos Olímpicos, fizemos aprovar e referendar o Estatuto e agora iremos tratar do Alzheimer.”

Criou a Fundação Pasqual Maragall[2] que pretende ser uma referência mundial na investigação desta doença neurodegenerativa:

“Investigamos como prevenir o Alzheimer e travar a sua aparição.

Não está escrito em nenhum lugar que esta doença seja invencível.”

Ele e a sua família, na cruzada contra a doença, protagonizaram o documental Bicicleta, cuchara manzana[3], um testemunho de excepção no qual, com inteligência, sinceridade e bom humor, deixam o exemplo do seu dia-a-dia, da sua luta pessoal.

[1] https://es.wikipedia.org/wiki/Pasqual_Maragall
[2] https://fpmaragall.org/
[3] https://youtu.be/QdsVVLrQDbQ