Almeida Henriques e a dificuldade “de recrutar os melhores para a política”

por PN | 2018.12.28 - 09:11

 

 

Hoje, logo pela manhãzinha, hora a que se começa o dia e a romaria, lá me fui à biquita e a meter os papéis para a reforma, que o mesmo é dizer, jogar 2,5€ no euro milhões.

Asinho dei de caras com o nosso estimado autarca Almeida Henriques – que não nos dá tréguas nem paz – a “exclamar” na primeira página de um dos estimados boletins locais:

“É difícil recrutar os melhores para a política” (ou qualquer treta deste género…).

Pela montra se vê o que há no armazém, e lá, em pilhas de caixotes bolorentos, devem estar grosas de lamúrias, do tipo: a “profissão” é ingrata, ganha-se muito pouco, estamos sujeitos a críticas e incompreensões de todos os descontentes, et all.

Ou então, como não tive a curiosidade de abrir “a folha”, talvez tenha perdido um extraordinário texto sobre as virtudes e qualidades, que à sua imagem, os políticos deveriam ter. E não têm.

Ele sabe do que fala, pois anda há uma vida nestas lides, nunca tendo provado fora delas qualidades ou atributos que se vissem.

Ou então, foi semana de humilde auto-análise e era de si próprio que falava. A ser assim, muito o louvamos, pois se bem que tardia, ainda poderá vir a tempo e horas de exercer a coerência, pegar nas malas (e no computador com os e-mails) e ir à vidinha, fora da política, provar o que vale. No fundo, como milhões de portugueses que dão o corpo ao manifesto, quotidianamente, sem o “encosto” da política onde, hoje, em geral e salvaguardando as louváveis excepções, proliferam aqueles que não sabem fazer mais nada.

Já agora, caríssimo, leve o seu “impedido”… provavelmente “recrutado” pela Força Aérea e aqui caído, com estardalhaço, de paraquedas.