ADOÇÃO: Afetos e etapas – “Removed”

por Sara Alves | 2016.12.01 - 19:30

 

 

“Removed” é uma curta-metragem de 2013 produzida por Nathanael Matanick, que mostra o ponto de vista de uma menina chamada Zoey.

Nesta curta-metragem, Zoey é uma criança que tem um irmão ainda bebé e que estão numa família em que existe violência doméstica. O pai bebe e maltrata a mãe e os filhos quer fisicamente quer psicologicamente. É Zoey quem cuida do seu irmão e é visível que ela tem uma ligação afetiva muito forte ao mesmo. É ela que por vezes faz a lide doméstica e o papel de adulta e mãe.

Na escola ela sente-se sozinha, invisível e incompreendida.

Um dia tudo muda.

A polícia, juntamente com técnicos de ação social aparecem e prendem o pai. Zoey foge e a mãe vai atrás do pai, ignorando a filha. O mundo desta menina “virou de cabeça para baixo”. Ao entrarem no carro dos técnicos para irem embora, ela e o seu irmão são separados, o que a deixa ainda mais aflita e angustiada.

Um dia tudo muda.

Zoey é levada para casa de uma senhora que pretende amá-la e cuidá-la. As coisas não correm bem, a menina faz alguns disparates e esta senhora muda de opinião e “devolve-a”.

Zoey culpa-se, sente-se ainda mais triste, desamparada, sem saber o que fazer e com muitas saudades do seu irmão.

Um dia tudo muda.

Zoey é novamente levada para casa de uma senhora que também pretende amá-la e cuidá-la. Ela não acredita que as coisas melhorem e torna-se uma criança muito irritada e ressentida. Esta senhora tenta criar alguns laços emocionais com Zoey, mas ela não deixa ninguém aproximar-se, reage e afasta-se de todas as pessoas.

Apesar disso, esta senhora consegue melhorar aos poucos e poucos a relação com Zoey e esta sente que as coisas vão melhorando ao seu redor e que os seus pés estão agora mais seguros e que poderá finalmente criar raízes naquela casa e com aquela senhora.

Um dia esta senhora oferece um vestido como prenda a Zoey. Ela lembra-se da mãe, que gostava de vestidos, do pai que batia em ambas e começa a gritar a dizer que não quer esse vestido e que odeia esta senhora. Toda a raiva, tristeza que tinha por nunca ter tido uma mãe que a abraçasse, que fosse forte por ela transfere-a para esta senhora. Esta, fica devastada e extremamente triste. Mais tarde Zoey arrepende-se do que fez e decide dar uma oportunidade à senhora e veste o vestido. Quando vai ter com ela, esta está a fazer um telefonema e Zoey pensa o pior e que a vai “devolver”. Zoey furiosa começa a fazer as malas para ir embora.

Um dia tudo muda. Zoey chega à conclusão que é uma criança que não tem culpa da sua vida, que merece ser amada e cuidada.

Mais tarde ao ver um carro a chegar e a sair de lá o seu irmão pensa: “o meu verão chegará”.

Este filme retrata a retirada de uma criança do seu meio familiar. Quando as crianças são retiradas e institucionalizadas é porque a família biológica não tem as condições psicológicas, físicas, económicas necessárias entre outras para lhes poderem prestar os devidos cuidados e facultar afeto e amor. Estas crianças podem por vezes ter comportamentos e atitudes disruptivas, face à insegurança e instabilidade interior que frequentemente sentem.

Perante elas torna-se necessária, por parte dos pais, uma grande estabilidade e maturidade afetivas que reponham o máximo de segurança e tranquilidade à criança. Culpá-las nunca é solução. Muito paciência e compreensão é o patamar mínimo para elas evoluírem.