Acumula Cargos

por António Soares | 2014.11.13 - 22:57

 

 

Há cada vez mais “acumula cargos”, a espécie humana que consegue presidir, administrar e gerir um sem fim de cargos, negócios ou eventos ao mesmo tempo.

Nas poucas linhas de resumo de um Curriculum Vitae destinado a apresentar alguém, é incrível a quantidade de empresas, negócios ou eventos das quais uma só pessoa consegue dizer-se presidente, administrador, gestor, sócio gerente, e mais um sem fim de funções executivas. Simultaneamente.

É como se fosse uma nova medida anatómica para identificar o macho ou a fêmea alfa, uma espécie de “O meu CV Resumido tem mais cargos que o teu”; “Mas os do meu são maiores que os do teu”. Os pequenos são omissos ou tendem a não existir.

O que me intriga é tentar perceber onde é que estes profissionais da acumulação encontram tempo para desempenhar tantas tarefas. Especialmente se tiverem a preocupação de desempenhar da melhor forma os cargos que exibem.

Tudo bem que são profissionais da acumulação, mas o nosso tempo, pelo seu carácter finito e pouco elástico, é mais difícil de acumular do que os vários cargos que tantas vezes caracterizam o perfilado.

Para se ser um bom executor o nível de empenhamento numa tarefa tende a ser elevado e constante. Os efeitos não são cumulativos, todos os dias é necessária uma grande dose de empenho.

Num treino desportivo diz-se que quando sentimos que não temos que nos esforçar, é porque não estamos a treinar. É aquela ténue linha que separa a acomodação do repetir, à superação de fazer melhor e evoluir.

Para se desempenhar uma actividade profissional ao melhor nível e reservar algum tempo para dar a atenção devida à família, vinte e quatro horas por vezes parecem pouco.

Além disso dormimos, comemos, cuidamos da higiene, viajamos, reunimos, esperamos e resolvemos imprevistos.

Então, em que actividades cortam os “acumula cargos”, para conseguirem dar resposta a todas as solicitações, com todo o empenho a todo o instante?

Será que não comem? Não dormem?

Tudo pode estar sujeito a atrasos e imprevistos, mas a duração de um dia é inflexível: 24 horas e sempre a contar. E se quando o sol nasce, nasce para todos, quando nasce novamente passaram as mesmas vinte e quatro horas para todos.

Se calhar cortam no tempo a cuidar da higiene, porque quando vimos alguns currícula resumidos com tantos cargos percebemos que algo não cheira bem.

Outra hipótese é não terem conhecimento de todos os cargos que ocupam, situação que me parece realmente aceitável e plausível. Afinal, na minha juventude tive imensas namoradas giras que faziam séries e filmes de televisão e a maior parte delas também não sabia.