A Tugolândia

por Alexandra Azambuja | 2015.11.06 - 13:23

 
Já não há pachorra.
Ai que horror ajudar os refugiados, e os nossos sem-abrigo?
Ai que horror, defender os animais no Parlamento e as crianças pobrezinhas?
Ai que horror, ajudam os das Doenças Raras e os velhos não?
Ai que horror ajudam famílias de emigrantes e os desempregados não.
Ai que horror, não me ajudam a mim e aos outros todos sim.
Ai que horror, que horror que horror, que votamos há 40 anos em que nos deixa assim e depois é tudo um horror.
Claro que toda a gente sabe que o País vai colapsar:
não porque nos anos 90 a liberalização financeira tenha precipitado o endividamento das empresas e famílias portuguesas
não pelos choques competitivos que afectaram a economia portuguesa
não pela crise de 2008 originada na economia de casino e no sub-prime americano
não pelas medidas europeias cegas e desadequadas que exigiram a uma economia fragilizada que reduzisse rapidamente o défice público, com sinais equívocos quanto à sua disponibilidade para estabilizar a situação, originando taxas de juro suicidas
não porque as instituições europeias quando intervieram apenas tenham substituído os nossos credores privados externos por credores oficiais
mas sim pelo rombo que 4500 refugiados irão fazer às finanças públicas portuguesas ( apesar do financiamento europeu que virá para eles).
Ou por alguma medida que o PAN consiga fazer passar no Parlamanento, vá.
O que não tem nada a ver com isto são 40 anos de voto no centrão e idas à praia em dia de eleições.
Isso é que não.
Agora vou ali puxar para trás o episódio da Casa dos Segredos e ler a A Bola que um país não vai prá frente se a gente não anda informada.