A menina sonhadora

por Joana Gomes | 2017.07.20 - 21:52

Ela era a menina da mamã. A mimada. A perfeitinha. A sonhadora.

Dançava sozinha no quarto, de olhos fechados, baloiçando a cauda do seu vestido preferido. Cantarolava em silêncio e vivia num mundo a preto e branco, onde as pessoas eram o que eram sem direito a photoshop! Usava flores no cabelo e trazia música para o jardim. Sorria à luz do dia e chorava sob a tonalidade prateada da lua. Deitada sobre a relva, contava todas as estrelas do céu. Pedia desejos à medida que apagava as velas do bolo de aniversário. E dizia, de sorriso parvo, a quem perguntasse, que sim, que era uma menina feliz!”

Escrevi este texto há uns anos. Só para ligar com uma imagem engraçada, a preto e branco, que apanhei no Tumblr. Aaahh, o Tumblr.. Mas, adiante, a grande questão é: quando é que deixamos de ser as menininhas sonhadoras, que acreditam em Unicórnios? No momento em que nos dizem que o Pai-Natal não existe? Então e se existir? E se tudo quanto sonhámos em crianças existir? É que tem que existir. Porque tudo aquilo que criamos é real. Só os adultos é que nos vêm impingir essa história do “só acredito se vir”. Tolos! Sabem lá o que perdem ao não tocar…ao não sentir…

Pessoalmente, eu só acredito se sorrir. Se me fizer sorrir e causar arrepios na espinha, então eu acredito! Posso até nem ver nada, mas sei que ali está…à distância de um sonho!

E era só isto. Por hoje é só isto. Um desabafo de quem acredita que o mundo seria um lugar melhor se a nossa grande preocupação fosse apenas e somente manter acesa a chama da infância que nos faz acreditar no impossível.

 

P.S.: eu ainda peço desejos às estrelas cadentes e olhem que tem dado resultado. Fica a dica…olhem mais para o céu à noite!!