A medida de todas as coisas

por João Fraga | 2013.12.24 - 13:00

24 de Dezembro. Dia que marca o nascimento, em Belém, do Homem cujos comportamentos, mandamentos, a Vida, são, para muitos milhões, referência e “medida de todas as coisas”.
Passados 2013 anos, justamente num mesmo 24 de Dezembro, sabe-se que, em Portugal, neste ano, nasceram menos 7.300 crianças e que, no último triénio (2011 a 2013), relativamente ao triénio anterior, foram menos 36.000. Pelo menos desde 2008, nasce-se menos do que se morre no nosso país.
Em muitos outros aspectos mas também neste, em Portugal, há cada vez menos Natal e, mesmo, literalmente, há cada vez menos natais.
Neste mesmo dia, sabe-se também que, neste ano, aumentaram (4%) as falências das pessoas e diminuíram (7%) as falências das empresas. Uma excepção nesta descida das falências das empresas foi o sector de comércio a retalho, aquele em que, talvez por mais depender das pessoas (inclusive das falidas…), as falências subiram, justamente, 4%.
Talvez tenham sido estas as coisas que justificam medidas como os cortes de salários e pensões e o aumento dos impostos para as pessoas e a baixa de impostos para as empresas, sobretudo, na prática (e em absoluto), para as grandes empresas.
É esta a “transformação estrutural da sociedade” (ex-ministro Vítor Gaspar, 3/9/2011), a “revolução silenciosa de que as pessoas não se estão a aperceber“ (secretário de Estado Carlos Moedas, 20/9/2011), o “momento histórico que está a viver” (primeiro-ministro Passos Coelho, 13/12/2013), em Portugal, “o melhor povo do mundo”.
Apesar de o que disse ter sido sedimentado e provado pelo peso histórico e filosófico de quase já 2500 anos, pelo menos em Portugal, por acção (ou omissão) de quem nos (des)governa, Protágoras estará a ficar desactualizado: Tende cada vez mais a ser a “empresa” (e, claro, o “empreendedorismo”), e cada vez menos o “Homem, a medida de todas as coisas”.

Inspector do trabalho (aposentado), 67 anos, licenciado em Gestão de Recursos Humanos, com pós-graduação em Psicologia do Trabalho pela Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto, residente em Santa Cruz da Trapa.

Pub