“A EUROPA VAI SALVAR-SE”

por Cílio Correia | 2017.02.21 - 10:21

 

 

 

“O povo é aquilo que fizerem dele…”

Jean Paul Sartre

 

Quem lê os jornais das últimas semanas não pode ficar indiferente sobre o estado da Europa, posta a nu pela mudança de paradigma na política americana. Até os mais céticos ficam apreensivos com a deriva nacionalista. O isolacionismo, a violência verbal, ódio racial e xenofobia. Tal não pode passar sem um veemente repúdio.

Foi num clima de confrontação política, no decurso da campanha britânica que levou ao “Brexit” que a deputada trabalhista inglesa, Jo Cox, foi assassinada por um extremista de direita: três tiros, sete facadas, um rasto de sangue e um corpo exangue estendido na rua. Uma brutalidade. Um crime de ódio.

Estamos convictos de que haverá um final que honre a memória da jovem deputada britânica, Jo Cox, sacrificada na luta política por um Reino Unido na União Europeia, como espaço de liberdade, paz, fraternidade e solidariedade.

A este propósito, recordo Nadir Afonso, pintor já desaparecido, que na tela “O Rapto da Europa”, representa Zeus como um touro enegrecido para alertar, metaforicamente, sobre os perigos que já pairavam sobre a Europa. A cor negra não fazia parte do seu leque habitual de cores na sua obra, mas achou que os azuis e amarelos tradicionais não traduziam o seu estado de espírito.

As notícias sobre a Europa assustavam-no e achou necessário usar cores negras para alertar sobre os perigos dos extremismos no Velho Continente. O título que serve de mote a esta crónica, “A Europa vai salvar-se”, é da sua autoria e se o trago aqui é porque nos tempos que correm ganham relevância as cores negras da intolerância, xenofobia e racismo. Terminava com o desejo que inscreveu na sua obra: “A Europa vai-se libertar e salvar-se”. Assim o esperamos.