A Escola ainda pode fazer a diferença!

por João Salgueiro | 2014.08.25 - 09:48

 

Num momento em que se começa a aproximar o reinício das aulas, pode fazer sentido recordar um episódio ocorrido no final do ano escolar de 2013/2014.

Estávamos no último dia de aulas e tinha acabado de fechar a porta da sala onde decorreu a última aula do ano. Os alunos estavam animados e, como agora é prática, prepararam-se para cumprir os 45 minutos na sala, propondo a visualização de um filme. Dadas as circunstâncias, fiz-lhes a vontade e saímos satisfeitos. O filme era leve e ajustava-se ao momento.

Ao passar no corredor, ouço a voz de uma aluna que reconheci de imediato e que dizia: «ontem castiguei-me a mim mesma». Aproximei-me. A aluna que se tinha acabado de manifestar, duas colegas e uma funcionária pareciam estar num momento de confidências, mas dado o teor da conversa interpelei: «Então porquê?» A aluna sem estranhar a minha intervenção, continuou no mesmo tom e disse: «castiguei-me por ter tido bom menos a Físico-Química».

Olho à volta e as restantes colegas mostram um olhar compreensivo, como se já estivessem habituadas ao rigor de análise aluna B. A Assistente Operacional acena com a cabeça como se confirmasse a situação.

Sem saber muito bem o que dizer, volto-me para as alunas presentes e declaro:

– «Estão a ver, assim é que é uma aluna, faz uma avaliação do que aprende e considera que poderia ter feito melhor». E, voltando-me para a aluna B., proclamo:

– «Sim senhor, assim é que é! Mas, um bom, já significa que te portaste bem!»

– «Pois é, mas podia fazer melhor», insiste a aluna B.», desarmando-me.

Mas o assunto estava-me a interessar e, por isso, insisti:

– «Então tu gostas muito da escola, não é?”

– «Muito, eu por mim não queria ir de férias!»

 

Nota: a aluna B. é cega e frequenta a escola desde o 5ºano – está agora no 8.º. Como depois vim a saber, apesar de estar inserida nas Necessidades Educativas Especiais, tem dos melhores desempenhos da Escola. Percebi depois que a aluna B. já me conhecia, apesar de não fazer parte das minhas turmas.