A cerimónia que muitos não viram

por Romira Jamba | 2016.03.10 - 13:41

 

 

Como já referi noutros artigos, sou uma estrangeira em Portugal, embora já quase mais portuguesa do que angolana. A vida, nas suas circunstâncias, delibera vicissitudes que nos moldam a existência…

Ontem segui com uma fascinada atenção as cerimónias de fim de mandato do Presidente Cavaco Silva e de início de mandato do Presidente Marcelo Rebelo de Sousa.

Aquilo que em democracia é trivial e quase deixa de ter significado para muitos espectadores, é na minha perspectiva, a dignidade de todo o cerimonial, o processo eleitoral que o antecedeu, limpo e pacífico, com quase duas dezenas de candidatos em dinâmica contenda, a transição pacífica entre protagonistas da História de Portugal contemporâneo…

Ontem, o Palácio de Belém estava cheio de convidados. Pessoas que vinham dizer adeus e outras que vinham dizer bem-vindo. De todos os partidos políticos e de países vizinhos. Da presidência europeia, embaixadores com assento diplomático… Estavam os três presidentes sobrevivos que antecederam estes dois: Ramalho Eanes, Mário Soares e Jorge Sampaio. Todos imbuídos da magnitude deste evento e do sentido de Estado que lhe subjaz.

A grandeza deste acto tem para mim um significado muito, muito especial.

Gostava de o ver um dia, semelhantemente, ocorrido no meu país…