A abstenção causa-me uma enorme repulsa…

por Eme João | 2014.05.26 - 13:47

Ontem foi dia de eleições europeias. Entre vitórias e derrotas, há que fazer o rescaldo destas eleições. A crescente abstenção é tão ou mais preocupante do que o crescimento de movimentos fascistas e nazis em muitos países europeus. Felizmente em Portugal isso não aconteceu, mas infelizmente a abstenção continua a dar-nos a indicação de que vivemos num país cada vez mais adormecido ou até mesmo num coma profundo.

Se a abstenção fosse algo bom então o país estaria uma maravilha. Mas é muito difícil argumentar com aqueles que se orgulham de se abster. Argumentam que os políticos são todos iguais. Pouco mais conseguem dizer. Ou o que dizem é quase tão sem sentido, que nem precisamos estar muito atentos para perceber, que inverter esta tendência abstencionista, será missão quase impossível.

Independentemente da minha ideologia política, respeito todos aqueles que votam. Seja nos partidos de esquerda, centro ou mesmo naqueles que ninguém sabe bem o que são. Mas o que importa é participar activamente exercendo o direito de voto.

Já a abstenção causa-me uma enorme repulsa. Costumamos ver a histeria colectiva em torno do futebol. Nada tenho contra o futebol. O que me indigna é ver um povo enlouquecer com 22 homens em cuecas a correr atrás de uma bola. E agora, já nem é só com os clubes nacionais ou com a selecção, agora a histeria alastra-se aos jogos estrangeiros. Como se isso fosse realmente determinar os seus futuros. Como se as suas vidas dependessem disso.

Depois aquele discurso de treinadores de bancada preocupa-me. Principalmente porque nas questões que realmente importam, apenas conseguem espelhar não a sua ignorância, mas algo muito pior. O orgulho que têm nisso.

Pior e mais medonho que a ascensão fascista por essa europa fora, é ver um povo morto-vivo, que se arrasta, se orgulha disso e permite que esses movimentos que no passado exterminaram milhões de pessoas, voltem a nascer.

Nasceu em Lisboa em 31/10/1966. Estudou psicologia no Ispa. Trabalha actualmente no ISS.

Pub