Reunião Científica CIMAGO 2017

por Rua Direita | 2017.01.21 - 13:44

 

Nos próximos dias 26 e 27 de Janeiro vai realizar-se, em Coimbra, a Reunião Científica CIMAGO 2017, onde vão ser apresentados e discutidos os projetos patrocinados pelo CIMAGO, centro de investigação da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (FMUC), e pela Liga Portuguesa Contra o Cancro (LPCC).

 

A iniciativa, a decorrer no auditório 2 do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), inclui dois Workshops intitulados “Infeção no doente imunocomprometido” e “O outro lado da radiação”, ambos organizados pela Comissão Coordenadora do CIMAGO.

O primeiro dia da reunião científica é dedicado a sessões de apresentação e avaliação dos projetos de investigação a decorrer no âmbito do CIMAGO e dos projetos financiados pelo Núcleo Regional do Centro da Liga Portuguesa Contra o Cancro. Na sessão de abertura, às 9h30m, vai realizar-se a assinatura dos contratos de concessão das bolsas (CIMAGO e Dr. Rocha Alves) para 2016-2017, contando com a presença de Carlos Freire de Oliveira, presidente do Núcleo Regional do Centro da LPCC, e Isabel Marques Carreira, coordenadora do Centro de Investigação em Meio Ambiente, Genética e Oncobiologia (CIMAGO).

No segundo dia, 27 de janeiro, realizam-se os dois workshops. A manhã é dedicada ao tema “O outro lado da radiação”. A radiação que assustou o mundo após o acidente nuclear de Chernobyl em 1986 é hoje uma importante aliada da medicina no diagnóstico e no tratamento de doenças. A ideia parece controversa, mas a radiação que pode ser de vários tipos, ionizante e não ionizante, pode ter diferentes aplicações.

O workshop visa esclarecer acerca de assuntos atuais na área da radiação não ionizante e ionizante, como a radiobiologia, dosimetria da radiação ou até o que nos diz a lei.

Durante a tarde, entre as 14:00h e as 18:00h, vai estar em análise o tema “Infeção no doente imunocomprometido”. As doenças infecciosas, nomeadamente as infeções adquiridas em meio hospitalar, têm contribuído para aumentar o risco de morbilidade e de mortalidade entre os doentes mais graves e/ou imunocomprometidos.

Por outro lado, o aumento da utilização de medicamentos anti-infeciosos na saúde humana e animal bem como na produção de alimentos, tem conduzido ao desenvolvimento da resistência antimicrobiana, das quais a Klebsiella pneumoniae produtora de carbapenemase (KPC) e outras bactérias multirresistentes, constituem um problema no contexto hospitalar mundial. Neste sentido, a vigilância epidemiológica e a efetividade dos programas de controlo e prevenção das infeções é fundamental para diminuir a sua disseminação, reduzindo os índices de morbimortalidade.

Além disso, a utilização crescente de antibióticos, com diferentes espectros de ação, efeitos secundários e interações medicamentosas, e o desenvolvimento de novos perfis de resistência, torna necessária a continua atualização de todos os profissionais de saúde que têm a responsabilidade de tratar doentes com patologia infeciosa.

Mais informação disponível em https://goo.gl/7teOOh e  https://goo.gl/fcMBVT.  A reunião científica encontra-se aberta a toda a comunidade científica e académica, sendo um espaço de partilha de experiências e de conhecimento.

 

 

Cristina Pinto

AI UC Reitoria

Projecto na área da comunicação social digital, 24 horas por dia e 7 dias por semana dedicado ao distrito de Viseu

Pub