Estatuto do Cuidador Informal e Função de Auxiliar Comunitário

por Rua Direita | 2018.12.18 - 11:57

O Desamparo Humano é cada vez mais uma realidade escondida.

Para lá da Porta de muitas casas há um ser humano sozinho e sem retaguarda familiar ou outra.

Há ainda circunstâncias em que um cuidador informal suporta a carga física e psicológica de cuidar sem ser cuidado nem reconhecida a sua relevância social.

 

O Projeto Aldeias Humanitar alerta para as situações de Desamparo Humano e para a necessidade de algo de estruturante se fazer para mudar esta realidade profundamente marcante e que diminui a qualidade de vida e baixa a limiares não aceitáveis a dignidade humana.

 

1-                 É urgente o reconhecimento do Estatuto do Cuidador Informal: abrindo-se desta forma uma nova janela de esperança de amparo para muitos seres humanos em Portugal e protegendo-se e valorizando-se o esforço e dedicação de cuidadores, também estes, em muitos casos, a precisarem de cuidados.

 

2-                 É urgente a criação da nova função de Auxiliar Comunitário: colocando-se nas comunidades, agentes de apoio aos habitantes das Aldeias que em atitude vigilante e de intervenção, proporcionem amparo, quebra de solidão, apoio nas atividades da vida diária, controle do regime terapêutico medicamentoso, etc.

 

Nesta urgência de se valorizar a vida, humanizar e estar presente, tendo como bom exemplo o trabalho dos Municípios e das Instituições, o Projeto Aldeias Humanitar apela:

•      Aos Órgãos do Poder Nacional: Senhor Presidente da República, Assembleia da República e Governo, que se não esqueçam dos seres humanos em desamparo, particularmente no interior de Portugal.

•      Aos cidadãos, que alertem e façam sentir a necessidade urgente de se resolver ou minimizar este flagelo crescente.

•      À Comunicação Social, que levantem esta bandeira de luta contra o Desamparo Humano e cumpram, desta forma, o seu insubstituível papel social.

 

O Projeto Aldeias Humanitar

Deseja a todos um BOM NATAL COM MUITO AMPARO E CARINHO HUMANO

 

contactos: proximidade@aldeiashumanitar.pt | 966 851 663  – Joana Rocha, Assistente Social

PROJETO HUMANITÁRIO DE SAÚDE E AMPARO SOCIAL

Sobre o Projeto Aldeias Humanitar

O Projeto Aldeias Humanitar é um Projeto Humanitário de Saúde e Amparo Social que conta com o Alto Patrocínio de Sua Excelência o Presidente da República, e que tem como principal propósito levar cuidados de Saúde e Sociais aos cidadãos, estabelecendo um compromisso de saúde e bem-estar biopsicossocial em todo o ciclo de vida, mobilizando cidadãos, instituições da comunidade, juntas de freguesias, municípios e os Ministérios da Saúde e do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

Vetores de Acão

Combater a desertificação humana;

Combater o desamparo humano;

Humanizar as comunidades;  Aproximar os cuidados de saúde e sociais;

Integrar e articular os recursos.

Objetivos Operacionais

Dotar cada aldeia / bairro de um conjunto de serviços de apoio que fomentem a permanência dos idosos nas suas casas;

Dotar cada aldeia / bairro de um conjunto de serviços de apoio que sirvam de estímulo e atrativo à manutenção e fixação de famílias jovens.

Combater o Desamparo Humano
O Desamparo Humano é um flagelo que a tempestade da desertificação humana provocou nos territórios do interior de Portugal, mas também nas grandes cidades que não se prepararam para a estrutura familiar dos novos tempos.

O Projeto Aldeias Humanitar nasce da constatação desta realidade que mata em silêncio a qualidade de vida de muitos seres humanos no país, em particular no interior de Portugal. Pretende-se, pois, despertar a Sociedade para que tenha consciência desta realidade e estruturar respostas em rede capazes de lutar contra esta problemática.

Onde estamos?

A Aldeias Humanitar – Associacão de Solidariedade Social tem sede em Sernancelhe e, atualmente, desenvolve intervenção de saúde e amparo social nos concelhos de Sernancelhe e Penedono, na região do Douro Sul. Em 2019, prevê iniciar intervenção também nos concelhos de S. João da Pesqueira, Tabuaço e, eventualmente, Armamar.

Operacionalização da intervenção

Apoios
A Aldeias Humanitar – Associação de Solidariedade Social conta com o suporte da Agência Social do Douro e Fundação da Caixa Agrícola do Vale do Távora e Douro, e tem como parceiros o Município de Sernancelhe e o Município de Penedono.

Para estes dois concelhos, a Santa Casa da Misericórdia de Sernancelhe é instituição âncora.

 

Projecto na área da comunicação social digital, 24 horas por dia e 7 dias por semana dedicado ao distrito de Viseu

Pub