Cooperativa faz renascer tradição do vinho pisado em lagar

por Rua Direita | 2014.11.09 - 23:48

 

 

A Cooperativa Agrícola do Távora, em Moimenta da Beira, está a fazer renascer a tradição milenar e artesanal da produção de vinho pisado a pé no seu lagar de pedra de granito. O método consiste em prensar as uvas com os pés para extrair o mosto, que posteriormente irá fermentar e transformar-se em vinho, “um vinho que se pretende venha a ser de excelência”, diz o presidente da instituição, João Silva. A experiência começou em 2011 e algum do vinho já está a estagiar em madeira para poder ser comercializado em 2015. É vinho com origem nas castas tintas mais nobres da região: Touriga Franca e Touriga Nacional.

São homens e mulheres que se ‘oferecem’ para pisar as uvas. Ao todo já se produziram 11 lagares dos quais foram aproveitados seis. O lagar tem capacidade para sete mil litros, cerca de 10 toneladas de uvas.

Em Portugal já é rara a tradição do vinho de “pisa a pé”. Restam poucas adegas a utilizar este método artesanal. A prática ainda pode ser observada em vinícolas do Douro e do Alentejo.
A diferença entre a “pisa a pé” e o uso de prensas mecanizadas é que o calcanhar humano proporciona um elevado nível de extração, não apenas de cor, mas também de outros componentes essenciais à boa qualidade do vinho. Já a prensagem mecânica pode extrair alguns elementos indesejados, dando gosto amargo ou herbáceo ao vinho, embora a nova tecnologia permita minimizar este efeito.

Porém, como a pisa a pé é dispendiosa e demorada, alguns produtores trataram de adoptar técnicas que se assemelham a este método, inventando as pisas mecânicas ou robóticas que simulam os movimentos dos pés humanos. Mesmo assim, para os seus vinhos de melhor qualidade, algumas vinícolas preferem manter a velha tradição.

 

 

 

Rui Bondoso (Gabinete de Comunicação

Projecto na área da comunicação social digital, 24 horas por dia e 7 dias por semana dedicado ao distrito de Viseu

Pub