A CMV não gosta de árvores

por Rua Direita | 2014.02.26 - 12:39

Julgámos que com a saída de Américo Nunes e sua tardia reconversão em cronista de sucesso, a Câmara de Viseu tinha posto ponto final na sua sanha persecutória às frondosas árvores da cidade.

Mas não, na Cava do Viriato, monumento nacional, está o que se vê vítima da moto serra destruidora do costume.

Podem sempre alegar que se cortou porque estava “doente”, podre, a cair e etc.

Mas a fotografia fala por si e pela cor, textura e seiva daquele tronco decepado os argumentos caem por terra. Como a árvore caiu.

Uma árvore daquele porte, integradora do cenário do ex-libris viseense, a estátua do Viriato, demora muitas décadas a crescer. Mas corta-se em 10 minutos…

Projecto na área da comunicação social digital, 24 horas por dia e 7 dias por semana dedicado ao distrito de Viseu

Pub