50 anos da construção da Barragem do Vilar

por Paulo Neto | 2015.04.24 - 11:48

Secretário de Estado da Administração Local presente nas comemorações dos 50 anos da construção da Barragem do Vilar

 

 

 

Sernancelhe, Moimenta da Beira e Tabuaço assinalam, no dia 26 de abril, os 50 anos da construção da Barragem do Vilar, obra do Estado Novo, inaugurada em 1965 pelo então Presidente da República Américo Tomás. A aldeia da Faia, a primeira do País a ficar submersa pela construção de uma barragem, recorda o momento no Centro Interpretativo da Aldeia da Faia, espaço museológico que retrata aquela comunidade do antes e do depois da obra, cerimónia em que estará presente o Secretário de Estado da Administração Local, Leitão Amaro.

 

No ano de 1965, há precisamente cinquenta anos, foi empreendida pelo Estado Novo, no território dos concelhos de Moimenta da Beira, Sernancelhe e Tabuaço, a construção da Barragem do Vilar.

Considerada uma obra de grandes dimensões para a época, era vista como inovadora, carregando em si mensagens de esperança, de progresso e de prosperidade para a região. Contudo, o progresso prometido chegou sob a forma de pesadelo para a aldeia da Faia que, submersa pela água do Távora, foi obrigada a reerguer-se num dos pontos mais altos, precisamente onde hoje se encontra.

A construção da Barragem teve outra curiosidade interessante e que perdurou no tempo: uniu, no mesmo propósito, três municípios e várias freguesias: na freguesia de Vilar, Concelho de Moimenta da Beira, seria construído o paredão da barragem; na freguesia de Távora, Concelho de Tabuaço, foram colocadas as turbinas para produção de energia; em Freixinho, Penso, Fonte Arcada e Faia, freguesias do Concelho de Sernancelhe, a água submergiu as melhores parcelas de cultivo, deixando marcas que demoraram anos a sanar.

Hoje, os três concelhos partilham da barragem para abastecimento de água às suas populações, para a preservação florestal e para a agricultura. Os mesmos municípios olham hoje também para a Albufeira como pólo turístico, como fator de progresso e distinção.

Por isso, e porque decorridos 50 anos, as memórias do antes e do depois da obra permanecem nas pessoas, os três municípios e as respetivas comunidades uniram-se para levarem por diante um programa que contempla momentos em cada um dos locais fundamentais: Barragem, Távora e Faia.

A Cerimónia no Centro Interpretativo da Faia decorre a partir das 16:00 horas.

 

 

 

Paulo Pinto

Técnico de Comunicação