Editorial de 04 de Dezembro de 2013

por Paulo Neto | 2013.12.04 - 09:41

Os vampiros

Uma portaria publicada esta semana em Diário da República torna mais fácil e rápida a penhora de certificados de aforro, obrigações, bilhetes ou certificados do Tesouro, para liquidar dívidas que estão na barra dos tribunais”, noticia hoje o JN.
Este governo é ágil nesta matéria. Porém, por vezes devia parar-se para pensar: Porque é que há hoje tanto incumprimento em Portugal? Porque temos um governo que está a espoliar os cidadãos dos seus direitos há muito adquiridos, está-lhe a sugar como um vampiro, em impostos directos e indirectos o que têm e o que não têm.
Não se é incumpridor por gosto, desejo ou ostentação. Hoje, o incumprimento que começa na total adulteração das promessas eleitorais que este governo de Passos Coelho fez ao povo para ser eleito, é uma praga social que afecta milhões de portugueses. Os novos pobres, a aumentarem exponencialmente a cada dia que passa.
Um problema de causa e efeito. Se o efeito é o incumprimento, a “ladroagem” é a causa. Nunca os portugueses foram tão vitimados como hoje por um governo sem escrúpulos, a mando sabe-se lá de quem, para benefício dos lóbis e das elites económicas.
Andam a penhorar os bens aos portugueses porque já não têm dinheiro para dar de comer aos filhos, não conseguem pagar a prestação da casa, do veículo utilitário com que se deslocam para ir trabalhar, e agora dos aforros de uma vida, para salvar o BPN, o Banco Privado Português e tantos outros.
Já lhes penhoraram os bens? Ou são amigos de peito e aos amigos de peito não se fazem essas malandrices?
Pouca vergonha!