Os trabalhos e os dias

por Alberto Correia | 2014.02.15 - 14:22

 O Senhor Deus expulsou-o do jardim do Éden a fim de cultivar a terra da qual fora tirado.. (Gen., 3 – 23)

Longa odisseia, a do homem e de sua companheira, a mulher, Eva, que sempre assim será chamada, desde que Javé os colocou às portas do Éden, a oriente do jardim, de onde partiram para terras ainda de ninguém.

Não sabemos bem o que Eva e Adão fizeram, que a Bíblia não diz. Ambos morreram de longeva idade na casa de um neto, talvez, que ao tempo herdeiro seria de terra lavrada.

Se olharmos ao lado, mesmo que seja na fotografia, lá andamos nós, filhos de Eva, filhos de Adão, atarefados, cumprindo a sina que nos foi talhada. Lavrando a terra, guardando o gado, talvez ocupados noutro mester.

A imagem que vemos apenas nos fala de um tempo-memória.

Há um lavrador que espera com a aguilhada pousada, a junta de vacas ali descansada, a Mimosa, a Cabana, que estes eram nomes que às vezes se lhes dava, e o carro de bois de rodas ferradas com sebe de tábuas armada em fueiros, e a carga de estrume para a terra lavrada, mulheres de sachola na mão apertada, uma delas parece ainda menina. E o carro chiando de volta à estrada e a terra por fim semeada, e as chuvas caindo, e a monda das ervas daninhas, e as regas, se se tratar de linho, e o enxotar do passaredo que se abriga no pinhal, e a ceifa do pão e a arca que nem sempre fica cheia, um açafate aberto na mesa da cozinha e uma mulher partindo pão.

(Textos ilustrativos de um antigo viver rural nas margens de Viseu ilustrados com imagens de Arquivo de Foto Germano)