“Umas pulseiras?”

por Eme João | 2014.05.17 - 17:42

O arrependimento não é algo muito comum em mim. Sempre tive a noção que os erros são a base da nossa aprendizagem. Mas ontem, na esplanada da estação do areeiro, quando já me preparava para apanhar o comboio, duas jovens, muito jovens mesmo com dez onze anos talvez, aproximaram-se de mim e perguntaram: ” a senhora não quer comprar-nos umas pulseiras?”.

Traziam um sorriso iluminado próprio da pouca idade. Retribui o sorriso e saiu-me um “não” tão seco, que espelhou nas suas carinhas o meu posterior sentimento de culpa.

Hoje, o peso na minha consciência é grande. Tento desculpar-me com o cansaço de um final de semana, com o comboio que estava prestes a chegar, com os inúmeros nãos que ouvi e com os que ouvirei.

Hoje, as meninas já não se lembrarão de mim, certamente. Mas eu apenas espero voltar a encontrá-las de novo. E mesmo que não lhes compre a tal pulseira, que pelo menos, tenha a coragem de perder o comboio para elogiar o seu trabalho e devolver-lhes a motivação.

Nasceu em Lisboa em 31/10/1966. Estudou psicologia no Ispa. Trabalha actualmente no ISS.

Pub