Menu   

Fernando Figueiredo

Forjado na Beira Alta, aos 56 anos dá-se por bem casado e aprecia a companhia de três filhos, dois ainda na fase de espalhar magia a toda a hora; em família dá-se como feliz, apenas por o fazerem feliz. Como os duros estudou na Academia Militar, que não é para meninos e na época em que ainda se viajava de pé no comboio mas teve ainda tempo para queimar as pestanas em Gestão de Recursos Humanos. 36 anos “militarizado” vê-se agora na reforma a procurar ser “civilizado”. Em termos profissionais esteve no Iraque e voltou para contar, também esteve em Timor onde bebeu água de coco e visitou Jaco, erro fatal que lhe deixou o coração preso nas valorosas gentes timorenses e nas paisagens únicas do País que ajudou a ver nascer independente já no Séc XXI. Nos tempos livre actualiza o blog mais lido e odiado do delta do Dão, o Viseu Sra da Beira, e ainda escreve textos para jornais mas, poucos o lêem. Homem sem grande preocupação em fazer amigos, escreve o que entende sobre quem não consegue entender. Tais liberdades já lhe valeram um par de processos em tribunal, sem nunca se ter declarado Charlie. A genética deixou-o sem um único cabelo mas está careca de saber que os valores do trabalho, da honestidade e da amizade são o maior legado que o pai lhe deixou. Benfiquista moderado, gosta mesmo é de um bom jantar na companhia dos melhores amigos. Agora como empresário e homem de negócios só aceita de lucro o necessário para viver e distribuir por outros e de comissão a 100% a ética, a responsabilidade e o profissionalismo. É garantidamente mais bonito ao vivo que em foto.

31.10.2019
Mais palavras para quê? É um executivo pelas horas da agonia…

O método é mais batido que a bisca lambida. Foi assim com o Conselho Estratégico, fóruns e workshops do Viseu Primeiro, do Viseu Faz Bem, repetindo-se agora no Viseu 2030. Muita retórica, pouca concretização, muita comunicação, pouca realização, muita parra, pouca uva. O que tem sobrado em marketing tem faltado em realidade, o que tem sobrado em despesa pública tem faltado em retorno económico, o que nesses eventos tem sobrado em hipocrisia tem faltado em verdade. Em […]

Colaboradores, última actividade

“Estima-se que a corrupção custe, por ano, o dobro do que gastamos em Educação – 18 mil milhões de euros. E isso acontece e acontecerá porque nenhuma lei é capaz de alterar a natureza dos bandidos cuja soberba se respalda na cultura instalada.” (…) “ao darmos poder negocial aos criminosos, |delação premiada| pervertemos a própria […]

11 de Dezembro, 2019

Interrogo-me e intrigo-me Revi as notícias sobre a regulação de poderes sobre a cadela Kiara. O Juiz decidiu entregar a cadela à dona, embora considerasse que ela também ficaria bem com o dono. Apesar desta situação o Juiz adiantou aquando das tentativas de conciliação que a “guarda partilhada” não  seria boa solução nem para os […]

11 de Dezembro, 2019

Pedro Alves, chefe da campanha montenegrista, arregimentou uma caterfada de autarcas locais do mais acutilante e fino perfil ideológico para as suas dinâmicas hostes.  Desde os 2 presidentes da autarquia satense, ao de Penedono, ao de Castro Daire, ao de Vouzela, ao de Viseu, sempre versátil e pronto a embarcar no trem da circunstância, passando […]

10 de Dezembro, 2019

O cineasta Leitão de Barros dedicou o seu tempo a alinhavar «notas de estética» sobre a «revisão e elogio do mau gosto», que fez publicar na revista Panorama em Fevereiro de 1943. Explica aos concidadãos a conveniência de mudarem de ideias acerca das palmeiras, árvores mal-amadas que ele queria dignificar e multiplicar para que o […]

10 de Dezembro, 2019