Tondelviva alvo “de uma investigação judiciária muito complexa…”

por Rua Direita | 2017.05.01 - 13:20

                          O PARTIDO SOCIALISTA DE TONDELA FAZ SABER:

 

“A sessão da Assembleia Municipal de Tondela, realizada na passada 6.ª feira, dia 28, também serviu para esclarecer algumas questões sobre as respostas do atual presidente da Câmara Municipal de Tondela, em forma de comentários, à entrevista do candidato do Partido Socialista e a outras posições assumidas em alguns órgão de comunicação social.

Ficou claro que as irregularidades na Junta de Freguesia de Tondela não podem ser confundidas com a posição doe eleitos do PS na Assembleia de Freguesia de Molelos, com maioria absoluta do PSD, incapaz de gerir situações de sua exclusiva irresponsabilidade, conforme despacho do Tribunal Central Administrativo do Norte, tendo essa teimosia custado aos cofres da freguesia muitos milhares de euros, em recursos, em advogados e custas judiciais, a pagar pelos molelenses.

Ficou clara a coerência do PS, ao longo dos últimos 7 anos, na luta contra os escandalosos preços da água, praticados pela concessionária e com a complacência total dos dirigentes políticos maioritários nos cinco concelhos.

Ficou claro que a Tondelviva está a ser objeto, não de uma simples avaliação, mas de uma investigação judiciária muito complexa, e que está a deixar muita gente com os nervos em pé.

Ficou claro que as obras do estádio João Cardoso foram adjudicadas, sem visto do Tribunal de Contas, por um valor próximo de 1,7 milhões de euros, acrescidos de IVA, e que o PS tinha razão porque houve mesmo custos muito elevados com gabinetes de advogados que a CMT teve de contratar para colmatar os erros que fez, e cuja conta foi paga pelos munícipes.

Por fim, ficou bem claro que os resultados da Conta de Gerência do exercício de 2016 foi de 2,5 milhões de euros porque o grau de execução das Grandes Opções do Plano foi inferior a 60%, ou seja, não foi cumprido o que o próprio PSD aprovou, com a abstenção do PS, com especial gravidade nas Funções Sociais (execução de 58%) e Funções Económicas (execução de 55%). E que tudo isto porque o executivo municipal preferiu sacrificar os seus compromissos e deixar esta almofada para gastar à pressa em 2017, ano eleitoral. E ainda que, apesar de terem sido utilizados apenas 800 mil euros, a totalidade dos 4 milhões do empréstimo são mesmo para gastar até final deste mandato, conforme Orçamento para 2017, confirmado  pela Revisão Orçamental aprovada nesta sessão. E que, tal como o candidato do PS afirmou, os números são mesmo os que disse, deixando o município e roçar no limite da sua capacidade de endividamento, mesmo excluindo as dívidas das Parcerias Público-Privadas, que ainda são superiores a 15 milhões de euros.”

 

A Comissão Política Concelhia de Tondela

Projecto na área da comunicação social digital, 24 horas por dia e 7 dias por semana dedicado ao distrito de Viseu

Pub