“Os Meus Direitos são um Jardim”

por Rua Direita | 2018.04.10 - 09:24

 

 

Assinalando o Mês de Abril: Mês da Prevenção dos maus tratos na infância, o Movimento Democrático de Mulheres – Núcleo de Viseu, numa organização conjunta com a Associação Ideias Solidárias, Guias de Portugal – S. José Viseu e o ISU Viseu, com o apoio da Freguesia de Viseu e da CPCJ – Viseu, promove a atividade “Os Meus Direitos são um Jardim”.

O objetivo desta iniciativa é informar crianças e adultos sobre os direitos das crianças, alertando para a importância de cuidar e exercer direitos como forma de prevenir o mau trato e a violência entre crianças e jovens.

A atividade instala-se no Parque Aquilino Ribeiro a partir da próxima segunda feira, dia 9 de abril, onde permanecerá até ao dia 21 do mesmo mês.

 

Um jardim é um local protegido.

Pode não ter muros, cercas, vedações, mas tem, certamente, vestígios visíveis da ação humana.

Um jardim é humano. É fruto de conquistas e de cedências. Num jardim, respira-se o tempo investido por quem preparou o solo, por quem plantou as primeiras mudas, por quem espalhou as sementes. Um jardim inspira respeito: “Não pisar!”.

Num jardim crescem plantas comuns em equilíbrio com as mais raras flores – frágeis, carentes de lembrança e de vigilância, de regas moderadas, “nem muito, nem pouco” para não morrer.

 

O mês de abril é o Mês da Prevenção dos Maus Tratos na infância. Assinalado há quase duas décadas, este “Mês” pretende despertar nas comunidades e nos cidadãos que as compõem, a consciência do que é o Mau-Trato, do que é a Prevenção do Mau-trato e das funções sociais de prevenção e proteção que a todos/as cabe. 

Identificar e conhecer os direitos das crianças é um dever dos adultos. Mas já não é assim para as próprias crianças, uma vez que estas conhecem o mundo através dos olhos e das formatações dos adultos.

Informar as crianças e jovens sobre os seus direitos constitui uma forma de lhes fornecer medidas de auto-proteção. 

Conhecer estes direitos bem como a importância de os valorizar e cuidar, fará com que crianças e jovens identifiquem, no seu dia-a-dia, as situações em que os direitos estejam a ser desafiados, desvalorizados e eliminados.

 

O contexto de Mau-Trato não pode ser a normalidade aos olhos de uma criança.

Normal é ter direitos. E vê-los respeitados.

 

Não podemos cair na ilusão de que todas as crianças vêem reconhecido o seu direito de crescer junto de adultos protetores, direito consagrado em legislação internacional, europeia e nacional. É obrigação do Estado, mas também de cada cidadão/ã zelar pelo cumprimento dos Direitos Humanos específicos à infância e juventude. Assim estabelece a Convenção Sobre os Direitos da Criança que, a partir de quatro pilares (sustento, participação, desenvolvimento, proteção), estrutura a totalidade dos seus 54 Artigos, deste modo consagrando direitos inalienáveis de todas as crianças.

Dar a conhecer estes direitos, sensibilizar e responsabilizar para o seu cumprimento, são os objetivos que nos propomos com a realização desta atividade.

 

Projecto na área da comunicação social digital, 24 horas por dia e 7 dias por semana dedicado ao distrito de Viseu

Pub