Os empecilhos da CMV…

por Paulo Neto | 2017.06.08 - 14:06

 

 

Eu sei, eu sei que o progresso, o asseio, a estética são muito carecidos de intervenções periódicas e temporalmente alongadas. Mas…

Nestas coisas há sempre uma arreliadora conjunção adversativa a estragar o belo bouquet. Hoje, de manhã, pelas 08H20, para quem não se levanta a essas horas, refira-se que é o momento de imensos viseenses irem levar seus filhos às escolas e irem para os seus empregos, a circular externa, entre a rotunda do McDonald’s e a do Hotel Montebelo estava entupida até não poder mais.

Depois dos primeiros cinco minutos de espera paciente pensámos que os novos semáforos – uma das jóias da coroa deste executivo – tinham avariado. Dez minutos depois congeminámos que só poderia ser um acidente. E decerto grave pois ocupava as duas faixas de trânsito, a ascendente e a descendente. Entretanto, ao 13º minuto vislumbrámos uma nesga entre veículos pouco compadecentes/impacientes e lá nos esgueirámos para a nossa vidinha.

Às 11H30 passámos de novo naquela circular e, enfim, percebemos que era uma equipa – decerto subempreitada pela Câmara – da Ideia Verde, que tinha cortado as duas faixas para aparar a sebe central. Ainda lá andam pois, pelos vistos, o trabalho é moroso, difícil e progride lentamente.

Esta Câmara deve ter gente competentíssima, desde os engenheiros chefes disto e daquilo a alguns caciques dinossáuricos que “mandam que se fartam”. Mas terá também vereadores de altíssimo gabarito – ou não estariam lá… estariam? não estariam? – que coordenam todas as intervenções públicas e, pelos vistos e constatado, parecem “borrifar-se” completamente nos interesses e necessidades mais básicas dos utentes, munícipes que pagam os impostos com os quais lhes são pagos os vencimentos, decerto “chorudinhos” quando acrescidos das ajudinhas de custos e demais mordomias.

Há um vereador, decerto cerebralmente superior, o deste pelouro, que quase parece esforçar-se por se mostrar ao olhar público como um tipo incompetente – o que decerto não é.

Então não haveria uma melhor ou mais “decente” hora para apararem as sebezinhas desta cidade-museu-jardim que as “horas de ponta”? Há necessidade de “empastilhar” cronicamente o fluxo rodoviário da cidade com meia dúzia de jardineiros-capinadores, quando toda a gente laboriosa quer ir trabalhar?

Valha-lhes Deus nosso Senhor, que é tolerante e misericordioso. Se esta rapaziada saísse mais do ar condicionado dos gabinetes confortáveis, talvez se apercebesse das asneiras que faz. Assim…

E quando não é isto, é alguma provazinha de ciclismo, pedestre ou outra… Mas Viseu é uma Festa, ou não? E os milhares de visitantes que todos os dias afluem em catadupas precisam de divertimento e rotundas vistosas. Ou não?

 

Nota: as fotos foram tiradas às 11H30, hora sem trânsito. Há durante a manhã e a tarde um conjunto de “horas mortas” que deveriam ser aproveitadas para “obras” desta natureza. Isso para não falar no período nocturno que sairia, decerto, muito mais caro…