Carregal Positivo Água a que preço? Sessão Pública

por Rua Direita | 2017.06.24 - 11:17

SESSÃO PÚBLICA – ÁGUA A QUE PREÇO?

O Carregal Positivo como movimento vocacionado para a promoção da qualidade de vida no Concelho, vê com enorme preocupação a questão da concessão da gestão das águas. Esta concessão tem-se revelado ruinosa para todos os munícipes.
Assim, iremos organizar uma sessão pública sobre este tema que terá lugar no Auditório da Escola Secundária de Carregal do Sal, no dia 24 de Junho a partir das 17 horas.
Esta sessão organizada em parceria com o MUAP (Movimento de Utentes da Águas do Planalto), terá como oradores elementos deste movimento.
Seria importante que todos nos empenhássemos neste debate, cuja intenção é informar e procurar alternativas que possam conduzir a uma solução concreta para pôr fim a este negócio lesivo para todos nós.

Contamos com a sua presença.

CONTRA A PRIVATIZAÇÃO

Os contratos de concessão de água a privados nos municípios de Carregal do Sal, Tondela, Stª Comba Dão, Tábua e Mortágua, mostram as consequências terríveis da privatização do setor: os consumidores pagam mais e os privados lucram com a água que é de todos. Além disso, ainda recebem pela água que não sai da torneira: se o consumo baixar, o contribuinte paga a diferença.
Estas privatizações, a que chamam concessões, acabam por ter o mesmo princípio: beneficiar uma determinada empresa privada que tem por objetivo o lucro, ao contrário do que faz um serviço municipalizado, que defende o bem público prestando um bom serviço aos cidadãos. Esta é uma concessão com várias trapalhadas lesivas para o erário público. Esta é uma concessão que numa primeira fase já era lesiva, mas que piorou com uma adenda ao contrato e que vem sendo contestada pelo MUAP. As alterações acabaram por constituir algumas ilegalidades, traduzindo-se num novo contrato sem haver qualquer concurso público, passando o período de concessão de 15 para 30 anos. Fruto desta privatização da água feita pelos autarcas destes cinco
municípios, os seus munícipes viram-se obrigados a pagar uma das águas mais caras de todo o país.
A água é um bem essencial à vida humana. Como tal, as políticas de água não devem ser discutidas ou elaboradas à porta fechada. Os interesses empresariais são responsáveis por negarem o acesso às populações mais vulneráveis. Estes não devem ser recompensados com um assento na mesa de tomada de decisões.
Pretende-se acabar com esta concessão da água e deixar de ser uma das águas mais caras do país! Para tal, é necessária a união de todos os esforços para travar e reverter o processo em curso. Os cidadãos em conjunto têm poder democrático para exigir e impor-se aos órgãos de soberania, mas a partir do momento em que estes alienarem a responsabilidade e a propriedade, esse poder é perdido. Pode-se reconquistar, mas não da mesma forma, e é muito mais difícil.

É tempo de agir!

Projecto na área da comunicação social digital, 24 horas por dia e 7 dias por semana dedicado ao distrito de Viseu

Pub