Câmara de Viseu sobe a água e o saneamento de “fininho”

por Paulo Neto | 2018.04.13 - 17:51

Alertado por vários consumidores fomos ver se e de facto teria havido uma mexida nas tarifas de água e de saneamento do SMAS.

Lembramos que estamos perante uma instituição próspera e tão apetecível que Almeida Henriques teve o sonho (ou a intenção?) de a privatizar.

Ninguém ignora o que acontecem às águas públicas quando privatizadas… negócio de milhões, servem ainda para lá meter uns desempregados da política partidária, um pouco como algumas comunidades intermunicipais, que são, em geral, um rico alfobre para muita parasitagem de duvidosa competência, no desemprego…

Esta subida de preços foi feita pela calada, nem no respectivo site havendo notícias do facto. O que é, convenhamos, no mínimo estranho, pois existe um contrato entre partes que, e em nome da transparência e da legalidade, não deveria ser alterado em prejuízo ou desfavor de uma das partes, sem dela ter prévio conhecimento.

Ademais, como referimos, nuns serviços lucrativos que já têm tentado muita “unhaca” cobiçosa.

Se compararmos um tarifário de Janeiro de 2017 com outro de 2018, apercebemo-nos dessa subida. Apesar de parecer coisa de somenos, por estimativo cálculo, percebemos que se arrecadarão cerca de 56 mil euros, considerando todos os clientes no escalão mais baixo (0 a 5 m3):

Os clientes pagam a mais, face ao consumo doméstico total em 2016 (3 537 308 m3), cerca de 55.889,46 euros

Água
+ 28.298,46

Saneamento
+ 27.591,00

Total
55.889,46

Estes números são escandalosos e podem reflectir o cariz pouco social de uma política autárquica que parece querer “borrifar-se” na qualidade (só no papel apregoada!) de vida dos seus munícipes, encarados somente como um ancho úbero capaz de dar muito “leitinho” para saciar as bocas ávidas de salutar alimento.

Provavelmente haverá uma cabal explicação para o descrito. A não haver, estamos perante um ataque silencioso à carteira dos munícipes, provavelmente para arranjar verba para gastar nos vinhos de tão poucos à custa da água de muitos. Ou então, para que a pândega continue, as festarolices não acabem e, sobre ainda verba para gastar nuns carrinhos “lindos de morrer” que servem para dizer que Viseu é uma “smart city”, pouco ou nada mais trazendo e para já, senão os holofotes mediáticos que dão vida a muito edil falho de substantivas obras…

 

JANEIRO DE 2017

JANEIRO DE 2018

EXEMPLO DE FATURA (+ AS TAXAS E TAXINHAS)