BE – Câmara de Viseu não aderiu à semana Europeia da Mobilidade

por Rua Direita | 2017.09.24 - 09:38

CANDIDATURA DO BLOCO DE ESQUERDA AO MUNICÍPIO DE VISEU  LAMENTA QUE, MAIS UMA VEZ , A CÂMARA DE VISEU NAO TENHA ADERIDO À SEMANA EUROPEIA DA MOBILIDADE E AO DIA SEM CARROS (22 DE SETEMBRO).

 

Criada em 2002, a Semana Europeia da Mobilidade, de 16 a 22 de Setembro, tem tido impacto na sensibilização das pessoas e na concretização de medidas permanentes para termos cidades com ar mais limpo e com mais qualidade de vida.  Em 2016 inscreveram-se mais de 2.400 cidades de 45 países. Em Portugal têm-se inscrito mais de seis dezenas de cidades mas Viseu, mais uma vez não aderiu!; apesar de uma recomendação nesse sentido do deputado municipal do Bloco de Esquerda, faz agora um ano.

Em Portugal, a utilização dos transportes públicos situa-se abaixo da média europeia e a utilização da bicicleta como primeira opção de meio de transporte fica-se pelos 0,2%, enquanto a média europeia é de 4,8%. A utilização desmedida do automóvel como transporte individual, além dos custos sociais como a sinistralidade rodoviária, tem também impactos muito negativos no ambiente e na saúde pública. A elevada concentração de poluentes está relacionada com a incidência de doenças respiratórias e cardiovasculares. Um estudo recente na cidade de Copenhaga estima que a utilização local da bicicleta resulta numa redução anual das despesas com cuidados de saúde num valor superior a duzentos milhões de euros.

Nos últimos anos cresceu (e ainda bem) a exigência cidadã para que os governos locais adoptem políticas que facilitem a utilização da bicicleta, a acalmia do tráfego automóvel, a melhoria do transporte público, mais áreas dedicadas a peões, maior acessibilidade para a mobilidade condicionada, entre outras medidas. Não basta ter um pelouro do Ambiente. É preciso que as questões ambientais enformem as políticas dos outros pelouros como o do urbanismo, a mobilidade, o turismo ou a  protecção civil. As cidades com futuro serão aquelas que desenvolvam políticas ambientais de combate à poluição do ar e às alterações climáticas.

Em Viseu, o executivo do PSD anunciou no início do seu mandato a 1ª Rede Urbana de Ciclovias de Viseu, mas até agora apenas foram executadas algumas pistas cicláveis e de forma completamente errada, em cima dos passeios, o que, segundo a Associação para a Mobilidade Urbana em Bicicletas – MUBI, “é muito perigoso para os peões, especialmente crianças e idosos (…) e extremamente perigoso para os ciclistas”. Segundo vários dados, existem mais acidentes entre peões e ciclistas do que entre ciclistas e automobilistas, pelo que os especialistas defendem que quando o ciclista partilha o mesmo espaço com o peão, este deve ser devidamente diferenciado e em canal próprio. Ainda por cima estas ciclovias desembocam, sem a devida sinalização, em passadeiras para peões, o que poderá suscitar o atravessamento da faixa de rodagem pelo velocípede, quando o Código da Estrada só o permite fazer à mão. 

Almeida Henriques não fez caso destes alertas do Bloco de Esquerda na Assembleia Municipal e os viseenses continuam a não ter segurança nas estradas e ruas da cidade e do Concelho para poderem circular de bicicleta no seu dia-a-dia, como acontece em qualquer cidade moderna.

 

Viseu, 21 de Setembro de 2017 –

A CANDIDATURA DO BE AO MUNICÍPIO DE VISEU

 

 

 

 

 

Projecto na área da comunicação social digital, 24 horas por dia e 7 dias por semana dedicado ao distrito de Viseu

Pub