ABAIXO-ASSINADO – POVOAÇÃO DE PARADINHA, FREGUESIA DE REPESES, SÃO SALVADOR

por Rua Direita | 2017.05.12 - 00:05

Em nome da população de Paradinha foi entregue na Câmara Municipal um abaixo-assinado com 400 assinaturas, onde também está incluída a comunidade cigana do Bairro Social

ABAIXO-ASSINADO – POVOAÇÃO DE PARADINHA, FREGUESIA DE REPESES, SÃO SALVADOR

Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Viseu:

Os abaixo assinados fundamentam este documento pelo seguinte:
No final da década de 90 do século passado, a povoação de Paradinha deparou-se com a construção de um bairro social que viria a albergar a população maioritariamente de etnia cigana que habitava até então na Quinta da Pomba, Ranhados, a qual foi demolida para que se construísse o atual Centro Hospitalar Tondela – Viseu.
Na povoação de Paradinha nunca tivemos qualquer tipo de recompensa mesmo que moral, pois outra não podia haver, pelo facto de deixarmos de ser uma pacata aldeia às portas da cidade, para ser albergue do maior bairro social do distrito de Viseu. Fomos vilipendiados de estruturas nomeadamente de recreio para as nossas crianças que nunca foram repostas, fomos também obrigados a assistir à desvalorização das nossas propriedades privadas, terrenos e habitações, por toda a freguesia. Assistimos a que a nossa povoação fosse palco do tráfico de droga em plena rua e a qualquer hora do dia.
Mas, em relação à convivência com a comunidade cigana, o tempo ditou que a princípio fosse um tanto quanto conflituosa com alguns casos esporádicos de confronto de maneiras de estar em sociedade. O que, não impediu que de parte a parte fossemos conseguindo um entendimento quase sempre pacifico sem grandes alterações da ordem pública e principalmente sem violência.
Passado estes anos e após promessas e compromisso assumido por parte do executivo camarário deparámo-nos com mais um realojamento de famílias de etnia cigana vindos da Ribeira de Mide, Abraveses.
Não fora os sucessivos avisos da gravidade desta medida e não teríamos razão agora.
As próprias famílias ciganas que já estavam em Paradinha alertaram para o perigo pois são fações desavindas. Os que agora foram aqui realojados são pessoas sobejamente conhecidas pelo seu histórico criminal e de violência. Situação que a população está a sofrer na pele.
Assaltos diários à propriedade privada, de habitações e viaturas, ameaças em plena rua aos cidadãos com desrespeito total pelas pessoas, estão a gerar duas coisas;
Um clima de medo insuportável nas populações da freguesia, não só em Paradinha.
Por último e não menos grave, uma crescente tensão de violência eminente dentro do próprio bairro. Assistimos diariamente a provocações que muito nos admira as famílias ciganas de Paradinha ainda não terem respondido com violência e confrontos graves.
Assim, os abaixo-assinados vêm exigir que:
Seja reforçado no imediato o policiamento na freguesia, principalmente em Paradinha nomeadamente com patrulhas de ronda apeada.
Que a câmara municipal proceda de imediato ao reforço da iluminação pública e a alteração para as lâmpadas de sistema LED, bem como, que Paradinha deixe de estar abrangida pelo horário de poupança e desligamento da iluminação durante a noite e madrugada.
Que a câmara municipal proceda às diligências necessárias junto das entidades competentes para a criação de uma zona especial de patrulhamento e intervenção conjunta entre Polícia de Segurança Pública e Guarda Nacional Republicana na povoação de Paradinha.
Seja por estas forças de segurança pedida à tutela a criação de um posto de policia na povoação de Paradinha.

Porque se a habitação condigna é um direito consagrado na Constituição, também a segurança e o direito à propriedade privada o é para todos.

 

Projecto na área da comunicação social digital, 24 horas por dia e 7 dias por semana dedicado ao distrito de Viseu

Pub