Viseu e as obras “suspensas”, semáforos e lancis

por PN | 2019.06.02 - 13:14

A evolução não é fácil e demorada. Principalmente numa “smart-city” onde tudo está a ser pensado em moldes de século XXII (ouvimos por aí dizer …).

Por isso, como nas “capelas imperfeitas da Batalha”, há séculos suspensas de digna conclusão, há arruamentos esventrados por acolá e além, a ditar a triste sina de seus moradores e a impedir a circulação, pois se há muitos meses iniciadas, pararam no tempo. Como certos autarcas que pairam por aí pasmados…

Os semáforos pimpões do cruzamento do “Recheio”, obra de algum visionário patético, continuam a atazanar o juízo e a paciência dos utentes da via Viseu-Caçador.

Por vezes, as “bichas” estendem-se reptilíneas por centenas e centenas de metro. Num sentido e noutro. Esta situação, não fora o “parolismo” do seu inventor, ter-se-ia resolvido exequível e facilmente com uma rotunda, artifício que não “empapa” o fluxo de trânsito nem mói a cabeça e a paciência dos utentes da estrada, merecedores – “vacas leiteiras” dos impostos – de algum respeito por parte de quem tem poder decisório, o que não quer dizer, por parte de quem tem neurónios.

O estacionamento em certos locais de Viseu é um perigo para a integridade dos veículos, pois os lancis dos passeios têm tal altura que, a maioria dos veículos, vai lá romper-se toda por baixo. E nem estamos a falar de carros desportivos, mais baixos que o normal. Estamos a falar dos mais comuns e utilitários automóveis, que depois de estacionarem em certos locais, vão a correr para a oficina. Talvez o fiscal das obras, na altura, andasse “distraído”. Porém, ninguém nos dissuade de que há um tamanho standard para lancis urbanos… Ou então, a CMV tão célere em placas, pode lá colocar algumas: “Reservado a 4X4”.

Paulo Neto