Viseu e a Loja do Cidadão

por Carlos Cunha | 2019.01.13 - 20:15

 

 

Quando a manta é curta, tapa-se de um lado e destapa-se do outro. É o que acontece se mudarem a Loja do Cidadão em Viseu.

A Loja do Cidadão foi criada inicialmente para retirar serviços do centro da cidade, concentrando-os num local mais afastado, mas onde ficassem acessíveis ao cidadão. A facilidade em estacionar é obviamente uma variável determinante.

A mudança da Loja do Cidadão tem mais contras do que prós, começando logo pela questão do estacionamento, bastante mais difícil de encontrar, tornando-se ainda mais raro nos meses de Dezembro e de verão por causa da grande afluência de emigrantes.

Atualmente, na Loja do Cidadão há um conjunto de serviços que desapareceram e que quase esvaziaram o piso superior. No piso inferior acontece precisamente o contrário, registando-se uma grande procura pelos serviços aí existentes.

A atual Loja do Cidadão assume-se como um espaço âncora fundamental para o desenvolvimento económico de proximidade, havendo algum pequeno comércio que se desenvolve e vive nas suas imediações e que sem a existência daquele serviço certamente alguns teriam de cerrar portas.

Deste modo, o caminho mais certo será o de optar pela continuidade da Loja do Cidadão onde se encontra.

 

 

Carlos Cunha é militante do CDS-PP de Viseu e deputado na Assembleia Municipal. Licenciado em Português/Francês pela Escola Superior de Educação de Viseu concluiu, em 2002, a sua Pós Graduação em Educação Especial no pólo de Viseu da Universidade Católica Portuguesa.

Pub