Viseu de volta à política do alcatrão…

por Fernando Figueiredo | 2018.08.14 - 10:18

 

A caminho de completar seis anos de governação, muito criticado por não se conhecer obra e ser cada vez mais uma figura apagada pelo seu delfim, Almeida Henriques, a fim de mostrar serviço decide despejar 600mts de alcatrão em arruamentos junto à Avenida Europa, com um preço médio similar ao km de auto-estrada.

Já que não será responsável pela chegada do, por si prometido, comboio (entre tantas outras promessas) o edil faz chegar alcatrão a nenhures, apelidando de novo futuro ao que é retorno ao passado.

Em breve o veremos, quem sabe, a pensar em concluir a circular externa de Viseu chamando-lhe sua, ou mesmo a inaugurar rotundas tal como o seu antecessor com a diferença que Fernando Ruas as sabia fazer.

A quem ao longo da vida nada fez, pouco e mal parece muito e bem.

Forjado na Beira Alta, aos 56 anos dá-se por bem casado e aprecia a companhia de três filhos, dois ainda na fase de espalhar magia a toda a hora; em família dá-se como feliz, apenas por o fazerem feliz. Como os duros estudou na Academia Militar, que não é para meninos e na época em que ainda se viajava de pé no comboio mas teve ainda tempo para queimar as pestanas em Gestão de Recursos Humanos. 36 anos “militarizado” vê-se agora na reforma a procurar ser “civilizado”. Em termos profissionais esteve no Iraque e voltou para contar, também esteve em Timor onde bebeu água de coco e visitou Jaco, erro fatal que lhe deixou o coração preso nas valorosas gentes timorenses e nas paisagens únicas do País que ajudou a ver nascer independente já no Séc XXI. Nos tempos livre actualiza o blog mais lido e odiado do delta do Dão, o Viseu Sra da Beira, e ainda escreve textos para jornais mas, poucos o lêem. Homem sem grande preocupação em fazer amigos, escreve o que entende sobre quem não consegue entender. Tais liberdades já lhe valeram um par de processos em tribunal, sem nunca se ter declarado Charlie. A genética deixou-o sem um único cabelo mas está careca de saber que os valores do trabalho, da honestidade e da amizade são o maior legado que o pai lhe deixou. Benfiquista moderado, gosta mesmo é de um bom jantar na companhia dos melhores amigos. Agora como empresário e homem de negócios só aceita de lucro o necessário para viver e distribuir por outros e de comissão a 100% a ética, a responsabilidade e o profissionalismo. É garantidamente mais bonito ao vivo que em foto.

Pub