Talvez seja mentira…

por PN | 2018.04.02 - 10:04

 

 

Viseu, hoje, dia 2 de Abril, pela manhã fresca e chuvosa, parece uma cidade fantasma e abandonada por suas gentes.

 

As ruas estão desertas. Os comércios estão maioritariamente fechados. Ausentes, transeuntes e turistas.

A Rua Formosa nem fica feia, vazia. Salva-a Aquilino na perene escrita de seu “guignol”, o olhar nostálgico para a velha pastelaria Horta das tertúlias de outrora.

A Rua do Comércio, sem fazer jus ao nome, vazia também.

A Rua Direita, aquele núcleo fervilhante das transacções de antanho, sem viv’alma para além de um noctívago retardado e cambaleante a falar sozinho para as montras nuas. Lojas fechadas, comércios centenários definitivamente encerrados… é uma desolada decadência.

Porque hoje é dia de visita pascal em muitas das freguesias do concelho, haverá uma espécie de tolerância de ponto; porque certos comércios se mantiveram de portas abertas, ontem, dia de Páscoa e das mentiras, hoje, os funcionários terão tido a sua compensação, mais que justa. Assim se explicará tal “solidão” da urbe.

Mas de resto, esta cidade ufana e gaia de festins constantes, está hoje quaresmal. Mas sem ar de ressurreição, antes um aspecto soturno e triste de finados. Premonição do a-vir?