Silly season* ? Não em Viseu!

por PN | 2019.08.17 - 08:33

Agora que a greve dos motoristas de matérias perigosas chegou ao seu fim, a comunicação social nacional fica apavoradamente desprovida de notícias.

A não ser que se agarre ao Pardal-“star”, o novo “chuchu” de Marinho Pinto… esse sim, o magno triunfador e “motorista honorário” do recente conflito social.

Ou ainda, excepção feita com o Rui Rio que pôs enfim termo às suas “sagradas” férias de Verão e regressou a correr ao Pontal, de mangas arregaçadas para mostrar bícepes e bronzeado, zurzindo a torto e a esmo em todos quantos ficaram a tentar resolver os problemas nacionais.

Quando tudo vai a banhos, os tablóides e as têvês ficam sem matéria atordoante. O que é, convenhamos, uma grande “chatice”…

Mas não em todo o país, pois que em Viseu, o feérico Sobrado, o novo militante do PSD local, de braços abertos recebido por recomendação do seu “tutor” e para vir a ocupar o lugar ainda de Joaquim Seixas como presidente da comissão política concelhia local, escrevia eu, em Viseu, a imprensa amiga e dependente do óbolo publicitário como do pão para a boca, essa não terá a tal silly season, pois irão todos “feirar” e, quando não forem os casamentos de S. Jorge & S. António, serão os foguetes, as farturas, as bifanas, as enguias, a roda gigante, os cantadores e as cantadeiras.

Nos intervalos e para descerebralizar, arqueologicamente se esperando em mais uma cavadela a descoberta de um “homo erectus” – que tão raro hoje é – ou uma filial das pirâmides de Gizé, ali para o lado da Rua das Bocas, não sendo de todo despiciendo aparecer o documento que prove ter Nostradamus nascido junto à escola da Ribeira e ser dilecto amigo de Almeida Moreira, com quem, aliás, terá trocado pródiga correspondência.

Logo, muito haverá a reportar nesta e desta “aurífera mina” explorada pela já célebre Viseu Marca, a tal que aparenta uma dificuldade inultrapassável em apresentar contas públicas, mormente dos seus fornecedores e dos pagamentos ao staff-maravilha…

Isto, não obstante Almeida Henriques enfatizar muito a sua inequívoca transparência e ameaçar “malhar com os ossos em tribunal” de quem dele discordar, apesar de só ser detentor de 48% da “coisa”, sendo os restantes 52% de quem – fino que nem um rato, como um rato caladinho anda, a “roer a rolha da garrafa do rei da Rússia…”

Coisas de somenos, trivialidades e “fait-divers”, que os viseenses apreciam e muito aplaudem.

Afinal… silly season? Em Viseu, não, pois por cá, todos os dias há muitas e frescas “news”…

*”Expressão inglesa que designa o período do ano de menor intensidade informativa nos media, geralmente o período de verão. Pode ser traduzida por “estação ridícula”. Nesta altura, os critérios de seleção jornalísticos tornam-se mais flexíveis, passando a considerar como relevantes assuntos que, geralmente, não constituiriam objeto de notícia.” (Infopédia)

Paulo Neto