Populismo

por Alexandre Borges | 2017.05.31 - 13:30

 

 

Os senhores deputados do PSD reuniram-se em Albufeira para mais umas jornadas parlamentares e Luís Montenegro, líder parlamentar do partido anunciou a quem interessar que retomará a discussão das propostas que já anunciou há cerca de um ano, mas que ainda não entregou no parlamento, de redução do número de deputados e da possibilidade de os eleitores poderem escolher, em cada círculo, o deputado que preferem, mas também uma nova área de trabalho.

Algumas propostas parecem-me bastante interessantes – escolha do deputado (isto depois de alguém nos apresentar um conjunto muuuuuuiiiiito restrito de possibilidades), se bem que nada de substantivo foi adiantado.

Já a proposta para a redução do número de deputados evidencia que neste momento o PSD não tem grande coisa para apresentar como alternativa às propostas da Geringonça. Tudo aquilo que defendeu no passado falhou e a vinda do Diabo, que anunciou com pompa e circunstância, revelou-se pífia. Nada havendo de substancial para dizer avança-se, ano e meio depois de sair do Governo, com a proposta populista de redução do número de deputados. Como se isso constituísse algum problema. A redução do número de deputados apenas deixará os portugueses menos representados e reforçará o poder de quem usa e abusa da “disciplina partidária” para agregar vontades individuais.

Se o PSD está preocupado com o número de deputados bastará esperar pelas próximas eleições e, certamente, assistirá a uma significativa diminuição dos seus próprios deputados. Ou estará o PSD preocupado com a possibilidade de o Diabo, por quem espera com a mesma avidez que desejou a vinda da Troika, ser eleito?

Ou será que, por essa via, se quer ver livre de Passos Coelho em São Bento? Fico na dúvida.

Natural de Canas de Senhorim. Licenciado em geologia pela UC. Virulentamente bombeiro. Gosta de discussões cordiais, de vaguear pelo mundo munido de auscultadores.

Pub