“Para que serve este secretário de Estado?”

por PN | 2017.11.18 - 17:00

 

O jornal desportivo, “O Jogo” trazia o seguinte título:

Francisco J. Marques questiona: “O secretário de Estado não se enxerga?”

Num artigo do jornalista Jorge Amaral é reproduzido um comentário do director de comunicação e informação do FCP acerca das afirmações de João Paulo Rebelo e Augusto Baganha, respectivamente, secretário de Estado da Juventude e do Desporto e presidente do IPDJ, por aquele tutelado, e é contundente:

“Para que serve este secretário de Estado?” e mais adiante “O senhor secretário de Estado não se enxerga?”

Sabemos que os políticos sentem uma atracção mediática intensa; sabemos que eles não ignoram ser o futebol o “desporto rei”;sabemos que o primeiro passo para o estrelato é ser “comentador” e, se for desportivo, muito melhor. Mas por vezes, nestas areias mais movediças, o tiro sai-lhes pela culatra, na animosidade sempre muito emocional e expressiva que decorre neste contexto. Perante a intervenção do sE e na sequência das críticas de que foi alvo, gostaríamos de conhecer qual a resposta dada pelo viseense João Paulo Rebelo às duas questões. Ou entupiu?

Com a devida vénia aqui deixamos o texto em questão:

 

“Francisco J. Marques comentou as palavras de João Paulo Rebelo, secretário de Estado da Juventude e do Desporto, e de Augusto Baganha, presidente do IPDJ, tomando como ponto de partida os cânticos da claque do Benfica no dérbi com o Sporting, em abril último, que visavam a morte de um adepto leonino na final da Taça de Portugal em 1996.
“O cântico foi no dia 22 de abril, durante o jogo Sporting-Benfica, horas depois de ter sido assassinado um adepto [Marco Ficini]. O que aconteceu no Dragão Caixa foi grave [cântico da Chapecoense], mas isto é muito pior. Relembra uma outra morte e é cantado menos de 24 horas depois de nova morte. O que diz a lei não é o que diz o João Paulo Rebelo. A lei é muito mais severa em relação a prestar apoio a grupos organizados ilegais. Os grupos legalizados têm mais problemas do que os ilegais. Que sociedade é esta? Para que serve este secretário de Estado? As claques legalizadas sofrem as consequências. O senhor secretário de Estado não se enxerga? O presidente do IPDJ diz que não é problema para ele nem para a polícia? Uma claque teve as portas abertas no Estádio da Luz. Estiveram lá jogadores e dirigentes. Não acontece nada? Para que é que serve este secretário do Estado?”, questionou o diretor de comunicação e informação do FC Porto.”

 

 

Ler aqui na íntegra:

https://www.msn.com/pt-pt/desporto/futebol/francisco-j-marques-questiona-o-secret%C3%A1rio-de-estado-n%C3%A3o-se-enxerga/ar-BBEYjS4