Para que clube vai o meu filho?!

por Vitor Santos | 2019.08.23 - 19:34

Aproxima-se o início de uma nova época desportiva. Esta é altura que muitos pais têm de fazer a escolha das modalidade e/ou clube em que vão inscrever o seu filho.

Concentramo-nos neste texto apenas nas crianças que vão começar agora a atividade desportiva federada. E nasce o dilema para os progenitores: para que clube vai o meu filho?!

A verdade é que os pais não estão, na maior parte das vezes, preparados para serem pais de atletas. A vida vai alterar-se quando o filho entrar no desporto e muita da rotina familiar passar a ser organizada em função dos horários desportivos. É ainda de acrescentar que os fins de semana também serão condicionados pela participação do filho na competição.

Os pais têm de ter no desporto a vivência que têm na vida escolar e procurar entender a importância do desporto e o valor que se atribui à sua prática, bem como adquirir o conhecimento mínimo da modalidade.

Os clubes têm de entender e de se preparar para estas situações, pelo que devem disponibilizar toda a informação aos pais de forma rigorosa e verdadeira. Se não fizerem este tipo de trabalho, vão criar condições para que inúmeras vezes os pais se indignem e se sintam frustrados. Atualmente existe a consciência da importância de se garantir o apoio de pais bem informados. A realização de uma reunião com os pais no início de cada época, é uma ideia-chave para reduzir a possibilidade de atos desagradáveis. O tempo que se gasta na preparação e concretização desta reunião/apresentação será um bom investimento. O principal objetivo é aumentar o valor que deve ser atribuído à participação das crianças na prática desportiva do clube, para o seu desenvolvimento físico, psicológico e social.

Os pais têm o direito de ser exigentes e para isso devem informar-se sobre a filosofia do clube, os seus recursos humanos e estruturas físicas. Para ser efetiva, a comunicação tem de se basear numa troca de informações nos dois sentidos e implicar todos os intervenientes.  As conversas devem ser sempre fora dos treinos e das competições. É muito importante que saibam a quem vão entregar o filho e tenham confiança nessas entidades.

Por vezes os pais, mal informados, começam a valorizar-se a si próprios em função dos resultados que o filho consegue alcançar e transformam-se em vencedores e vencidos através da pressão exercida. As crianças não são troféus. A criança, que só quer ser feliz, pode não encontrar no espaço desportivo um ambiente saudável.

Hoje qualquer jovem pode treinar em clubes das grandes cidades que, numa aposta de marketing, têm datas para receber atletas que os pais «empurram» para o que pensam ser mais fácil para alcançar o sucesso. Hoje já se trabalha bem em quase todo o lado. Para se fazer um jogador de topo, dezenas de jovens viram as suas vidas frustradas pela aposta «cega» no desporto. Reflitam sobre isso.

Os dirigentes e treinadores têm também um papel decisivo, pois muitas vezes estão unicamente centrados no treino «profissional» e nos resultados, ignorando os aspetos principais da iniciação da prática desportiva: valorização das atitudes, ética e fair-play.

Quer as crianças ganhem ou percam, o importante é divertirem-se na competição, sendo o resultado uma mera indicação para o treinador avaliar, internamente, a evolução dos seus atletas.

Não se deve NUNCA esquecer que as crianças não são profissionais em miniatura e os adultos não os devem crucificar, como não devem criar expectativas injustas sobre a sua evolução. O caminho é longo.

Mas assistir, apoiar, incentivar, aplaudir as nossas crianças e os nossos jovens nas competições desportivas é, ainda, a melhor forma de relaxarmos e de contribuirmos para uma geração de jovens saudáveis.

Votos de uma excelente época desportiva para todos vós.

         Vítor Santos

Embaixador do PNED

Vitor Santos nasceu em Viseu no ano de 1967. Concluiu o Curso de Comunicação Social no IPV. Conta com várias colaborações na Imprensa Regional. Foi diretor do Jornal O Derby.

Pub