Os “tipos” que proíbem mas não reparam…

por PN | 2018.07.20 - 17:57

 

 

 

Talvez seja este um dos lemas da Câmara Municipal de Viseu. Talvez.

 

É mais fácil proibir do que reparar. Dessa forma prestavam um serviço aos utentes, aos munícipes pagadores de impostos. Proibindo retiram um direito de passagem e lesam moradores.

Aliás, esta autarquia, à profusão de sinalética vertical que semeia por aí, em tudo que é canto da cidade, contribuindo grandemente para a poluição urbana visual, até parece ser sócia de uma fábrica de sinais.

Se as “poldras” ou “alpoldras” (meia dúzia de pedras para passagem no Pavia) são um risco tão grande, porque não repará-las, mantendo um património antigo e dando servidão aos utentes?

Porque não estão à vista dos “mirones” que têm responsabilidades na matéria ou porque, no sítio onde estão as ditas, não sendo vistas, são mais fáceis de interditar?

Para quem é bacalhau serve”… pode ser o pensamento de quem na matéria pontifica.