Oposição ao PS em desespero

por Manuel Ferreira | 2017.07.10 - 08:53

 

Tem sido confrangedor ver uma oposição ao PS e ao Governo completamente desorientada e sem uma agenda positiva para o país e os portugueses.

Depois de terem falhado nas premonições catastróficas que apontavam para o colapso da economia, para o caos no emprego e a desgraça nas finanças públicas, o PSD e o CDS-PP parecem ficar satisfeitos com as calamidades que se abateram sobre alguns portugueses, como seja o caso do incêndio de Pedrogão Grande e o roubo de material de guerra dos Paióis de Tancos.

Não existe por parte da oposição ao Governo uma iniciativa política construtiva e credível, pois é difícil afirmar que a economia não cresceu resultado de um maior dinamismo das exportações e do investimento; que a taxa do desemprego não é a mais baixa desde 2009; que o rendimento das famílias não aumentou e que a gestão das contas públicas não está a ser um sucesso.

O Governo, apesar do ambiente crispado e das adversidades políticas, tem demonstrado coesão e confiança, elementos importantes para que o otimismo dos portugueses cresça. Este Governo tem decididamente sido um fator de incentivo e de ânimo para os portugueses, pelas políticas e estratégia adotadas e que pretendem promover a coesão territorial e social e introduzir mais justiça e igualdade na sociedade.

Deste modo, o Governo não deve cambalear ou desistir, mas manter o rumo de modo a garantir uma política orçamental responsável, que proporcione o crescimento, melhor qualidade no emprego e maior igualdade.

O país, para ter contas públicas em ordem, não precisa de fustigar os portugueses e de recorrer ao empobrecimento coletivo.  O trabalho do Governo orgulha o país e deve ser realçado. Não devemos embandeirar em arco, porém também não devemos ser ingratos ou modestos ocultando o que de bom e de meritório tem decorrido da ação do Governo da geringonça. Portugal está melhor…

 

 

 

Manuel Ferreira tem 49 anos e nasceu em Lamego. Casado, dois filhos. É licenciado em Filosofia pela Universidade de Letras do Porto. Possui a Especialização em Administração e Gestão Escolar e é Mestre em Filosofia em Portugal e Cultura Portuguesa.
Militante socialista desde 1996, foi membro da Assembleia Municipal de Lamego entre 1997 e 2001 e Secretário do Gabinete de apoio do pessoal do Vice-Presidente da Câmara Municipal de Lamego entre 2001 e 2005 e membro da Comissão Política durante vários anos.
Atualmente é Presidente da concelhia de Lamego do PS e membro da Comissão Política da Federação de Viseu.

Pub