O “Mourinho das Beiras”

por Fernando Figueiredo | 2018.02.21 - 10:12

Julgo que não será motivo de espanto se alguém afirmar que Viseu e os viseenses não têm tido sorte no que toca aos seus representantes políticos. Por um lado, a sociedade civil mobilizada e responsável é reduzida e por outro lado, os partidos abocanham todo o espaço público. Dos Clubes às Associações Desportivas, na mão de Jotas e ex-Jotas; dos Bombeiros às IPSS tomadas por velhos caciques; eles (partidos e suas gentes), quais vampiros, comem tudo, eles comem tudo e não deixam nada. Não vale a pena tentar enumerar casos concretos, nem quem vos escreve teria espaço e nem o leitor paciência para tal triste lista nominal. As excepções honrosas são raras. Assim, sem grandes hipóteses, a má fortuna na hora de eleger é, portanto, uma inevitabilidade local.

O exemplo acabado da mediocridade cacique que reina em Viseu, é, sem sombra de dúvida, o deputado Pedro Alves. Para quem desconhece a evidência, este deputado antes de o ser já tinha um percurso turvo para os lados de Nelas. Como a ambição comanda a vida, com os compromissos partidários criados lá se conseguiu eleger para São Bento. Chegado à capital, desconhecido e com um CV pobrezinho e uns episódios de baixas psiquiátricas pelo caminho, ninguém dá por ele até ao dia em que decide ligar-se à rede e começar a destratar o então treinador do Sporting Clube de Portugal. Depois dessa triste cena volta ao anonimato geral. Continua a tratar da vidinha, crescendo dentro do PSD Viseu ao mesmo tempo que produz rigorosamente zero em prol do distrito que o elegeu. Mas sabem como a natureza humana não falha e todas as manhãs, olhando-se ao espelho, acredita que é um predestinado, que é o “Mourinho da Política”.

Chegado a 2018, o nosso estimado cacique, encontra em Rui Rio a melhor hipótese para se impôr em Lisboa. Desenvolve uma estratégia, faz uns telefonemas, arrebanha aqui uns seguidores, ali uns leitões amaros, monta uns esquemas, finta Almeida Henriques, e ganha o distrito para Rio. Política com p pequeno, como verá à frente, é só nisto que o bom do Alves é bom.

Acreditando que chegou o momento da consagração e munido de ambição desmedida, apanha o IP3 e segue para Lisboa, debaixo do braço leva uma “Moção para o Interior“.

Já no congresso, confiante, sobe ao palco. Está certo do sucesso. Nada pode falhar. Já ninguém o segura. É agora Alves, vai-te a eles! Um, dois, três, som. Microfone ok. Começa o discurso e o ruído na sala aumenta de tom. Não há problema. Faz uma piada seca (um cangalheiro até pode ser um Mourinho, mas ser um Seinfeld já era pedir muito) e começa tudo de novo. Os congressistas não se calam, não há respeito. Terceira tentativa, o povo social-democrata, desinteressado pela figura levanta-se, e deixa o velho Alves a falar sozinho.

Está confirmada a primeira derrota da noite, e o pior, está em todos os canais de tv. Mas não há stress, a vergonha já se perdeu faz uns largos anos e o objectivo principal está intacto. O lugar de Secretário Geral ia muito bem com o nosso Alves. As cadeiras mexem-se, há fila à porta para braço direito de Rio, Alves está na fila e por lá ficará…..

Irritado, ainda no congresso fala daquilo que sabe: há Negociatas&Tachos no PSD do Dr. Rio, isto não pode ser assim, temos de enviar um sinal para o interior, não é por ele é pela região!

Tendo lhe sido passado um atestado de mediocridade pelos restantes militantes do partido (alguém se recorda de outro político que tenha sido deixado a falar sozinho?); tendo sido posto de lado pelo actual líder do seu partido (não há um lugar para quem mais militou em favor da causa em Viseu), o que resta a Alves? Para já, um lugar de fundo de fila e a continuação da total irrelevância em Lisboa e, claro, caso lhe reste um pingo de dignidade assumir que conduziu mal a distrital de Viseu e colocar o seu lugar à disposição de uma alma competente. Mas não lhe façam ainda o enterro, o nosso Alves vive e sobrevive da política.

 

Fernando Figueiredo

(Foto DR)

Forjado na Beira Alta, aos 56 anos dá-se por bem casado e aprecia a companhia de três filhos, dois ainda na fase de espalhar magia a toda a hora; em família dá-se como feliz, apenas por o fazerem feliz. Como os duros estudou na Academia Militar, que não é para meninos e na época em que ainda se viajava de pé no comboio mas teve ainda tempo para queimar as pestanas em Gestão de Recursos Humanos. 36 anos “militarizado” vê-se agora na reforma a procurar ser “civilizado”. Em termos profissionais esteve no Iraque e voltou para contar, também esteve em Timor onde bebeu água de coco e visitou Jaco, erro fatal que lhe deixou o coração preso nas valorosas gentes timorenses e nas paisagens únicas do País que ajudou a ver nascer independente já no Séc XXI. Nos tempos livre actualiza o blog mais lido e odiado do delta do Dão, o Viseu Sra da Beira, e ainda escreve textos para jornais mas, poucos o lêem. Homem sem grande preocupação em fazer amigos, escreve o que entende sobre quem não consegue entender. Tais liberdades já lhe valeram um par de processos em tribunal, sem nunca se ter declarado Charlie. A genética deixou-o sem um único cabelo mas está careca de saber que os valores do trabalho, da honestidade e da amizade são o maior legado que o pai lhe deixou. Benfiquista moderado, gosta mesmo é de um bom jantar na companhia dos melhores amigos. Agora como empresário e homem de negócios só aceita de lucro o necessário para viver e distribuir por outros e de comissão a 100% a ética, a responsabilidade e o profissionalismo. É garantidamente mais bonito ao vivo que em foto.

Pub