O corropio dos directores da AIRV

por PN | 2019.05.07 - 13:51

Em quase 4 décadas de existência a AIRV não conseguiu ter tantos directores executivos como nos últimos 4 meses.

Provavelmente serão os vertiginosos sinais dos tempos modernos, podendo ainda ser, em mera hipótese académica, indícios de uma gestão mais-que-perfeita dos recursos humanos, face ao carrossel crescente dos “inconseguimentos” da instituição.

Quando não se atingem os objectivos definidos para os timings propostos há que rever e actualizar estratégias. Eventualmente disso se tratará, num conjunto de renovações que passa por quase todos menos pelo presidente da “casa”, o qual, ao fim dos 3 mandatos estatutariamente definidos, meteu de permeio o seu grande amigo Carlos Marta – já terá os resultados da auditoria? – para e de seguida voltar à carga para mais uma infinda sucessão de mandatos improfícuos (?!).

Também o CERV, Centro Empresarial da Região de Viseu, pelo mesmo gestor apadrinhado e dirigido, uma vez que não conseguiu “gerir Fundos Comunitários”, parece estertorar num “moribundismo” aflitivo. Desejamos as melhoras…

Isto apesar de ambas deterem 48% +4% na Viseu Marca, outra parceria local de topo… Mas aí, estranhamente “et malgré tout“, parece pontificar o clã Sobrado… de pedra e cal pela CMV esteiado, que apenas deterá 48% da “coisa”. Um caso estranho a apurar…

Qualquer ROC explicaria bem isto, mas como não o sou, por aqui me quedo, ciente de que “não deve ir o sapateiro além do chinelo”, sábio aforismo por poucos seguido…

Paulo Neto